"Não é meu." Pompeo nega ter escrito artigo anónimo sobre administração Trump

Pompeo acusou os media de tentarem sabotar a administração Trump

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, negou esta quinta-feira ser o autor do artigo de opinião anónimo que afirma existir, na Casa Branca, uma "resistência" interna para frustrar as "piores inclinações" do Presidente Donald Trump.

"Não é meu", disse Pompeo em Nova Deli, após um encontro com autoridades indianas, adiantando que "não devia ser surpresa" a publicação de "tal artigo" pelo New York Times.

O jornal publicou, na quarta-feira, um artigo anónimo, adiantando ser da autoria de um alto funcionário da Administração Trump. No artigo, o referido responsável diz fazer parte da "resistência interna" que trabalha para frustrar "as piores inclinações" do presidente norte-americano.

Mike Pompeo considerou que, se o artigo foi de facto escrito por um alto funcionário da administração, o jornal não deveria dar crédito às "falsas" alegações de um "ator descontente".

Pompeo acusou os media de tentarem sabotar a administração Trump, o que classificou como "incrivelmente perturbador".

O jornal justificou a publicação anónima do artigo por ser "a única forma de dar uma perspetiva importante" aos seus leitores.

Numa reação, quarta-feira, através da sua conta no Twitter, Donald Trump defendeu a divulgação do nome do autor do texto. "Se essa pessoa anónima cobarde existe, o Times deve, por razões de segurança nacional, entregá-lo(a) ao Governo imediatamente", disse.

"Então o fracassado New York Times tem uma coluna anónima? Dá para acreditar? Anónima. O que quer dizer cobarde. Uma coluna cobarde", disse ainda Donald Trump, numa outra reação, durante uma reunião na Casa Branca com congressistas.

Por seu lado, a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, exigiu ao autor do texto que se "demita".

O slto funcionário revelou, no texto, que um amplo grupo de funcionários que trabalham para o Presidente se esforça conjuntamente para anular algumas das políticas que consideram mais gravosas.

O artigo começa por sublinhar que o maior desafio que Trump enfrenta é que "muitos funcionários seniores da sua Administração estão a trabalhar diligentemente, por dentro, para frustrar parte dos seus objetivos e das piores tendências".

O autor do texto esclarece, por outro lado, que os esforços para anular algumas das iniciativas de Trump não partem de uma "resistência popular da esquerda".

"Queremos que a Administração tenha êxito e queremos que muitas das políticas tenham eco e que os EUA sejam mais seguros e prósperos", concretiza a fonte.

No texto refere-se que a raiz do problema da atual Administração norte-americana é a falta de moralidade do Presidente e sustenta-se que, apesar de ter sido eleito como representante do partido republicano, não defende as ideias dos conservadores, como a liberdade de pensamento ou a liberdade do mercado.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.