UE canaliza mais 45,6 milhões de euros para apoiar Espanha e Grécia

Com este novo envelope financeiro, a Comissão Europeia já mobilizou mais de mil milhões de euros em assistência de emergência para ajudar os Estados-membros a enfrentar a crise dos migrantes

A Comissão Europeia anunciou esta segunda-feira um reforço de 45,6 milhões de euros para ajudar Espanha e Grécia a responder à crescente chegada de migrantes aos portos dos dois países.

"Atendendo ao crescente número de chegadas, Espanha irá receber 25,6 milhões de euros para aumentar a sua capacidade de acolhimento na costa sul e em Ceuta e Melilla, assim como para incrementar as recolocações", especifica o comunicado do executivo comunitário.

"Espanha viu o número de chegadas crescer durante o último ano e nós precisamos de assumir a responsabilidade de ajudá-los a lidar com este crescimento e com o repatriamento daqueles que não têm direito de ficar na Europa"

A nota esclarece que a União Europeia (UE) canalizou 20 milhões de euros para o Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados com vista a melhorar as condições de receção de migrantes na Grécia, nomeadamente na ilha de Lesbos.

"A Comissão continua a cumprir os seus compromissos com os Estados-membros sob pressão. Espanha viu o número de chegadas crescer durante o último ano e nós precisamos de assumir a responsabilidade de ajudá-los a lidar com este crescimento e com o repatriamento daqueles que não têm direito de ficar na Europa", disse o comissário europeu das Migrações, Assuntos Internos e Cidadania.

Dimitris Avramopoulos lembrou ainda que, apesar de o número de chegadas de migrantes aos portos da Grécia ter decaído nos últimos meses, o país ainda enfrenta "uma pressão migratória significante".

Com este novo envelope financeiro, a Comissão Europeia já mobilizou mais de mil milhões de euros em assistência de emergência para ajudar os Estados-membros a enfrentar a crise dos migrantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.