Salvini ameaça reenviar migrantes para a Líbia

"Ou a Europa começa a defender seriamente as suas fronteiras e partilha o acolhimento dos imigrantes, ou nós começamos a levá-los para os portos de onde partiram", ameaçou Salvini numa publicação no Twitter

O ministro do Interior de Itália, Matteo Salvini, ameaçou esta terça-feira reenviar para a Líbia os migrantes, entre os quais os 177 que estão num navio no porto de Catânia, na Sicília, sem autorização para desembarcar.

"Ou a Europa começa a defender seriamente as suas fronteiras e partilha o acolhimento dos imigrantes, ou nós começamos a levá-los para os portos de onde partiram", escreveu Salvini, que é também vice-primeiro-ministro e líder da Liga (extrema-direita), no Twitter.

Pouco antes, num comunicado, citado pela agência EFE, o ministro italiano acusou alguns países da União Europeia (UE), entre os quais Portugal, de não cumprirem as promessas de acolher migrantes resgatados do mar que chegam a Itália.

Salvini evocou o caso de 450 migrantes que desembarcaram em julho em Pozzallo, na Sicília, afirmando que dos seis países que se comprometeram a receber migrantes, apenas França cumpriu o compromisso.

"Todos tentam ganhar tempo, impondo a Itália que suporte os gastos das transferências, 500 euros por pessoa"

"Só a França fez um esforço, recebendo 47 dos 50 que prometera (três estão hospitalizados à espera de serem transferidos", afirmou.

"A Alemanha ia receber 50 e acolheu zero", tal como Portugal, Espanha e Malta, enquanto a Irlanda prometeu 20 e também não recebeu nenhum.

"Todos tentam ganhar tempo, impondo a Itália que suporte os gastos das transferências, 500 euros por pessoa", disse.

Matteo Salvini acrescentou que a UE devia abrir uma investigação a Malta por recusar assumir a responsabilidade pelos 177 migrantes socorridos em águas maltesas por um navio da guarda-costeira italiana, o Diciotti, e recusar deixar aportar.

Os migrantes a bordo do Diciotti foram salvos na quinta-feira, em águas de Malta, por outras duas embarcações mais pequenas da guarda-costeira italiana, segundo o Ministério do Interior italiano.

Itália pediu a Malta que recebesse o navio, mas Malta recusou e acusou Itália de ter recolhido os migrantes em águas maltesas "só para os impedir de entrar em águas italianas".

O Governo de Itália anunciou na segunda-feira que autorizou o navio a aportar na Catânia, Sicília, onde chegou na madrugada desta terça-feira, mas os migrantes mantêm-se a bordo, proibidos de desembarcar.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.