Navio humanitário Aquarius chegou a Malta

Portugal aceitou receber 30 pessoas do Aquarius, mas também de outras pequenas embarcações que acostaram em Malta

O navio humanitário Aquarius chegou esta quarta-feira a Malta, onde vão desembarcar os 141 migrantes resgatados do mar, que serão acolhidos por cinco países, entre os quais Portugal.

O navio, operado pelas organizações não-governamentais SOS Mediterrâneo e Médicos Sem Fronteiras, entrou no porto pouco depois das 14:00 locais (13:00 em Lisboa).

O Aquarius resgatou os migrantes em duas operações diferentes em águas internacionais ao largo da Líbia na sexta-feira passada, mas foi proibido por Itália e por Malta de desembarcar os migrantes num dos seus portos.

A situação só se desbloqueou na terça-feira, devido a um acordo entre Malta e cinco países europeus - Portugal, Alemanha, Espanha, França e Luxemburgo - que se disponibilizaram para acolher cada um parte dos migrantes.

Portugal aceitou receber 30 pessoas, do Aquarius mas também de outras pequenas embarcações que acostaram em Malta, e vai enviar uma equipa do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) a Malta, explicou na terça-feira o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita.

Segundo a SOS Mediterrâneo e os Médicos Sem Fronteiras, quase metade dos migrantes a bordo do "Aquarius" são menores não acompanhados, provenientes de países como Bangladesh, Camarões, Costa do Marfim, Egito, Eritreia, Gana, Marrocos, Nigéria, Senegal e Somália.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.