Navio com 177 migrantes chegou ao porto italiano de Catânia

Navio esteve cinco dias no mar, à espera de autorização do Governo italiano para se dirigir a um porto

Um navio militar italiano com 177 migrantes a bordo chegou ao porto de Catânia, na Sicília, sul de Itália, onde ficará até que o Governo autorize as pessoas a desembarcar.

Os migrantes vão permanecer durante a noite no Diciotti e não está previsto que vão a terra, para já, tal como foi decidido pelo Ministério do Interior italiano, que pretende que estas pessoas sejam distribuídas por países da União Europeia.

O navio permaneceu cinco dias no mar Mediterrâneo à espera de autorização do Governo italiano para se dirigir a um porto.

Durante este tempo, as autoridades de Itália e de Malta debateram qual dos dois países deveria responsabilizar-se pelos migrantes.

As pessoas a bordo do Diciotti foram salvas na quinta-feira, em águas de Malta, por outras duas embarcações mais pequenas da guarda-costeira italiana, segundo o Ministério do Interior italiano.

Itália pediu a Malta que recebesse o navio, mas Malta recusou e acusou Itália de ter recolhido os migrantes em águas maltesas "só para os impedir de entrar em águas italianas".

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".