Jovem foi expulso da Alemanha e mandado de volta ao Afeganistão. Suicidou-se

Tinha 23 anos e enforcou-se no alojamento provisório em Cabul, onde tinha chegado a 04 de julho juntamente com 68 compatriotas

Um afegão com 23 anos, expulso recentemente da Alemanha, ao mesmo tempo que 68 dos seus compatriotas, enforcou-se no seu alojamento provisório em Cabul, anunciou na quarta-feira o Ministério dos Refugiados afegão.

Segundo o porta-voz do Ministério, Hafiz Ahmad Miakhail, o jovem, cuja identidade não foi revelada, tinha chegado em 04 de julho com o resto do grupo.

"O corpo foi encontrado pendurado. Está em curso uma investigação", declarou o porta-voz à agência noticiosa AFP.

A Agência Internacional das Migrações (AIM) avançou, por seu lado, que tinha sido descoberto na terça-feira no seu quarto de hotel, uma semana depois da sua chegada.

O jovem tinha sido instalado no hotel pela AIM, enquanto se preparava a viagem do seu regresso à sua cidade natal, Herat, no oeste do Afeganistão.

"Desde o início do ano, 148 afegãos foram expulsos" da Alemanha, segundo o Ministério dos Refugiados em Cabul, cidade considerada perigosa pela Organização das Nações Unidas.

Um porta-voz do Serviço de Imigração de Hamburgo, no norte da Alemanha, onde residia o jovem, declarou à agência noticiosa alemã DPA que ele tinha chegado em 2011 e solicitado a concessão de asilo. Este tinha sido rejeitado, mas ele apresentou vários recursos até 2017.

A mesma fonte adiantou que este jovem tinha sido acusado de roubo, tentativa de ferir o corpo de terceiros e violação da lei sobre os estupefacientes.

A Alemanha começou as expulsões de afegãos por pequenas grupos em 2016, jovens na sua maior parte, depois de um acordo entre as autoridades alemãs e afegãs.

Um deste, chegado em fevereiro de 2017, foi ferido devido a um atentado em Cabul, duas semanas depois do seu regresso forçado.

O ministro do Interior alemão, o conservador Horst Seehofer, tinha ironizado na véspera com estas expulsões de afegãos, ao declarar "Precisamente no dia dos meus 69 anos, 69 pessoas vão ser expulsas para o Afeganistão. Eis uma coisa que não encomendei".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.