Jovem foi expulso da Alemanha e mandado de volta ao Afeganistão. Suicidou-se

Tinha 23 anos e enforcou-se no alojamento provisório em Cabul, onde tinha chegado a 04 de julho juntamente com 68 compatriotas

Um afegão com 23 anos, expulso recentemente da Alemanha, ao mesmo tempo que 68 dos seus compatriotas, enforcou-se no seu alojamento provisório em Cabul, anunciou na quarta-feira o Ministério dos Refugiados afegão.

Segundo o porta-voz do Ministério, Hafiz Ahmad Miakhail, o jovem, cuja identidade não foi revelada, tinha chegado em 04 de julho com o resto do grupo.

"O corpo foi encontrado pendurado. Está em curso uma investigação", declarou o porta-voz à agência noticiosa AFP.

A Agência Internacional das Migrações (AIM) avançou, por seu lado, que tinha sido descoberto na terça-feira no seu quarto de hotel, uma semana depois da sua chegada.

O jovem tinha sido instalado no hotel pela AIM, enquanto se preparava a viagem do seu regresso à sua cidade natal, Herat, no oeste do Afeganistão.

"Desde o início do ano, 148 afegãos foram expulsos" da Alemanha, segundo o Ministério dos Refugiados em Cabul, cidade considerada perigosa pela Organização das Nações Unidas.

Um porta-voz do Serviço de Imigração de Hamburgo, no norte da Alemanha, onde residia o jovem, declarou à agência noticiosa alemã DPA que ele tinha chegado em 2011 e solicitado a concessão de asilo. Este tinha sido rejeitado, mas ele apresentou vários recursos até 2017.

A mesma fonte adiantou que este jovem tinha sido acusado de roubo, tentativa de ferir o corpo de terceiros e violação da lei sobre os estupefacientes.

A Alemanha começou as expulsões de afegãos por pequenas grupos em 2016, jovens na sua maior parte, depois de um acordo entre as autoridades alemãs e afegãs.

Um deste, chegado em fevereiro de 2017, foi ferido devido a um atentado em Cabul, duas semanas depois do seu regresso forçado.

O ministro do Interior alemão, o conservador Horst Seehofer, tinha ironizado na véspera com estas expulsões de afegãos, ao declarar "Precisamente no dia dos meus 69 anos, 69 pessoas vão ser expulsas para o Afeganistão. Eis uma coisa que não encomendei".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.