Jovem foi expulso da Alemanha e mandado de volta ao Afeganistão. Suicidou-se

Tinha 23 anos e enforcou-se no alojamento provisório em Cabul, onde tinha chegado a 04 de julho juntamente com 68 compatriotas

Um afegão com 23 anos, expulso recentemente da Alemanha, ao mesmo tempo que 68 dos seus compatriotas, enforcou-se no seu alojamento provisório em Cabul, anunciou na quarta-feira o Ministério dos Refugiados afegão.

Segundo o porta-voz do Ministério, Hafiz Ahmad Miakhail, o jovem, cuja identidade não foi revelada, tinha chegado em 04 de julho com o resto do grupo.

"O corpo foi encontrado pendurado. Está em curso uma investigação", declarou o porta-voz à agência noticiosa AFP.

A Agência Internacional das Migrações (AIM) avançou, por seu lado, que tinha sido descoberto na terça-feira no seu quarto de hotel, uma semana depois da sua chegada.

O jovem tinha sido instalado no hotel pela AIM, enquanto se preparava a viagem do seu regresso à sua cidade natal, Herat, no oeste do Afeganistão.

"Desde o início do ano, 148 afegãos foram expulsos" da Alemanha, segundo o Ministério dos Refugiados em Cabul, cidade considerada perigosa pela Organização das Nações Unidas.

Um porta-voz do Serviço de Imigração de Hamburgo, no norte da Alemanha, onde residia o jovem, declarou à agência noticiosa alemã DPA que ele tinha chegado em 2011 e solicitado a concessão de asilo. Este tinha sido rejeitado, mas ele apresentou vários recursos até 2017.

A mesma fonte adiantou que este jovem tinha sido acusado de roubo, tentativa de ferir o corpo de terceiros e violação da lei sobre os estupefacientes.

A Alemanha começou as expulsões de afegãos por pequenas grupos em 2016, jovens na sua maior parte, depois de um acordo entre as autoridades alemãs e afegãs.

Um deste, chegado em fevereiro de 2017, foi ferido devido a um atentado em Cabul, duas semanas depois do seu regresso forçado.

O ministro do Interior alemão, o conservador Horst Seehofer, tinha ironizado na véspera com estas expulsões de afegãos, ao declarar "Precisamente no dia dos meus 69 anos, 69 pessoas vão ser expulsas para o Afeganistão. Eis uma coisa que não encomendei".

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.