Itália defende rotatividade dos portos europeus para acolher migrantes

A proposta de Roma prevê o envolvimento de diversos países da UE com costa mediterrânica - França, Espanha, Malta e Grécia - de forma a organizar o desembarque dos migrantes resgatados

A Itália quer que os migrantes resgatados no mar Mediterrâneo sejam acolhidos de forma rotativa por diversos portos europeus, foi esta quarta-feira avançado pela ministra da Defesa italiana, Elisabetta Trenta.

A proposta do executivo de Roma será apresentada durante uma reunião informal dos ministros da Defesa da União Europeia (UE), que decorre nesta quarta e quinta-feira em Viena, Áustria.

Tal medida implicará uma mudança das atuais normas da operação naval da UE contra as redes de traficantes e de resgate de migrantes no mar Mediterrâneo, lançada em 2015 e designada como "Sophia".

"Quinta-feira, durante a reunião informal de ministros da Defesa da UE em Viena, vou levar em nome do Governo italiano uma proposta de alteração das regras da missão 'Sophia' no que diz respeito ao porto de desembarque", escreveu a representante numa mensagem na rede social Facebook, citada pela agência noticiosa francesa France Presse (AFP).

"A proposta visa conseguir uma rotatividade dos portos de desembarque, ou seja, o nosso objetivo é garantir que Itália não seja o único país responsável pelo problema, mas também os outros Estados membros", precisou uma fonte do Ministério da Defesa italiano, também citada pela AFP.

A operação naval europeia "Sophia", atualmente sob comando italiano, prevê, até à data, que todos os migrantes resgatados ao abrigo desta missão sejam levados para um porto italiano.

"Consideramos este princípio inaceitável e queremos a sua revisão", prosseguiu Elisabetta Trenta.

"Quinta-feira a bola estará do lado da UE: ao aceitar a nossa proposta terá a oportunidade de mostrar que é uma verdadeira comunidade, ao recusar estará a negar os seus próprios princípios", concluiu a ministra italiana.

Segundo o diário italiano La Stampa, a proposta de Roma prevê uma rotatividade de portos "de diversos países da UE com costa mediterrânica: França, Espanha, Malta e Grécia" de forma a organizar o desembarque dos migrantes resgatados.

O jornal referiu ainda que a proposta italiana prevê que França e Espanha sejam "chamados a colaborar mais do que os outros".

A atual coligação governamental italiana, que tomou posse no passado dia 1 de junho e que integra o partido de extrema-direita nacionalista Liga e o Movimento 5 Estrelas (M5S, populista), tem adotado uma linha dura em matérias relacionadas com as migrações.

Em Viena, Portugal está representado pelo ministro da Defesa Nacional, José Azeredo Lopes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.