França vai acolher algumas dezenas de imigrantes do Lifeline

"Já sei que é limitado, mas é assim que funciona a solidariedade europeia", admitiu o presidente francês, Emmanuel Macron

O Presidente da França, Emmanuel Macron, anunciou hoje que o seu país vai acolher "algumas dezenas" de migrantes que viajam a bordo do barco homónimo da organização não-governamental alemã Lifeline, quando este atracar em Malta.

"A França vai acolher pessoas que estão a bordo do Lifeline, quando chegar a um porto europeu (...) Falamos de algumas dezenas de indivíduos. Já sei que é limitado, mas é assim que funciona a solidariedade europeia", afirmou Macron no Vaticano, onde se reuniu com o papa Francisco.

Portugal foi outro país europeu que confirmou que também vai receber migrantes que viajam na embarcação, onde se encontram 234 migrantes.

Macron recordou que se trabalha "desde há dias" para que haja uma "solução europeia" para o problema.

Além da sua reunião com o Papa, Macron reuniu-se também, de forma "privada", na segunda-feira, com o chefe do governo italiano, Giuseppe Conte, com quem discutiu a situação na zona euro e as migrações.

"Vivemos uma situação em que não se pode pensar que uma pessoa consegue resolver os problemas", avisou Macron, aludindo às críticas dos países do leste europeu e de Itália à gestão europeia das migrações.

Há duas visões que se opõem. Uma que diz que a Europa é ineficaz e que a única solução é a nacional: 'Não no meu país'. E outra que é progressista e acredita na solidariedade interna

O Presidente francês insistiu em que "não há" uma crise migratória, mas sim uma "crise política" sobre como resolver esta situação.

"Há duas visões que se opõem. Uma que diz que a Europa é ineficaz e que a única solução é a nacional: 'Não no meu país'. E outra que é progressista e acredita na solidariedade interna", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.