Comissão Europeia felicita António Vitorino, um velho conhecido

"É alguém que conhecemos bem, e ele conhece bem esta casa, e estamos desejosos de prosseguir a cooperação frutuosa com a OIM sob a sua liderança", declarou o porta-voz da Comissão Europeia, Margaritis Schinas

A Comissão Europeia saudou esta segunda-feira a eleição de António Vitorino como novo diretor-geral da Organização Internacional para as Migrações (OIM), lembrando a sua passagem pelo executivo comunitário, como comissário da Justiça e Assuntos Internos, entre 1999 e 2004.

"Congratulamo-nos bastante com a eleição de António Vitorino como líder da OIM. É alguém que conhecemos bem, e ele conhece bem esta casa, e estamos desejosos de prosseguir a cooperação frutuosa com a OIM sob a sua liderança", declarou o porta-voz da Comissão Europeia, Margaritis Schinas, na conferência de imprensa diária do executivo comunitário, a primeira desde a eleição da passada sexta-feira.

Schinas acrescentou que, em nome do colégio da Comissão Europeia, subscreve as mensagens de felicitações já dirigidas a António Vitorino pela Alta-Representante da União Europeia para a Política Externa, Federica Mogherini, e pelos comissários Dimitris Avramopoulos (Migrações e Assuntos Internos) e Christos Stylianides (Ajuda Humanitária e Gestão de Crises).

Na sexta-feira, pouco depois de conhecido o resultado da eleição para a liderança da OIM, Mogherini comentou que António Vitorino leva "competências cruciais" à organização pela sua experiência como comissário europeu para os Assuntos Internos.

A eleição de Vitorino, salientava a nota enviada à Lusa, "traz competências cruciais no campo da migração devido aos postos que já ocupou, incluindo o de comissário europeu para os Assuntos Internos".

Os 169 Estados-membros da OIM elegeram na sexta-feira, à quarta ronda de votações, o novo diretor-geral do organismo que desde 2016 integra a estrutura multilateral da ONU

A chefe de diplomacia da UE apontou que "a UE e os Estados-membros mantêm uma parceria estratégica há muito tempo com a OIM", sublinhando o trabalho conjunto para "melhorar a gestão dos fluxos migratórios, mitigar crises humanitárias e garantir os direitos dos migrantes".

A UE e os Estados-membros são o principal doador para a OIM, tendo financiado a organização com uma verba de 644 milhões de euros em 2017.

Vitorino foi comissário europeu para a Justiça e Assuntos Internos entre 1999 e 2004, tendo a sua experiência europeia passado ainda pelo cumprimento de um mandato como deputado ao Parlamento Europeu (1994-1995), onde presidiu à Comissão das Liberdades Cívicas e dos Assuntos Internos.

Os 169 Estados-membros da OIM elegeram na sexta-feira, à quarta ronda de votações, o novo diretor-geral do organismo que desde 2016 integra a estrutura multilateral da ONU.

A candidatura de Vitorino à liderança desta organização, fundada no início da década de 1950, foi formalizada pelo Governo português em dezembro do ano passado.

A OIM foi integrada na estrutura multilateral da ONU a 25 de julho de 2016. Antes, a organização tinha recebido, em 1992, o estatuto de observador permanente na Assembleia-Geral da ONU e firmado um acordo de cooperação (1996).

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.