Juncker preocupado com aumento das chegadas de migrantes a Espanha

Presidente da Comissão Europeia comprometeu-se a desbloquear 55 milhões de euros, lamentando o facto de os recursos para o norte de África serem "infelizmente" limitados.

O presidente da Comissão Europeia expressou hoje a Pedro Sánchez a sua preocupação pelo aumento das chegadas de migrantes a Espanha, um dia depois de endereçar uma carta ao Governo espanhol na qual lamenta a escassez de recursos.

"O presidente Juncker acabou de ter uma conversa telefónica com o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, na qual reiterou a mensagem de que estamos ao lado de Espanha. Partilhamos a preocupação com o aumento das chegadas de migrantes a Espanha, e estamos preparados para providenciar ajuda extra", revelou a porta-voz do executivo comunitário, na conferência de imprensa diária da instituição, em Bruxelas.

Mina Andreeva informou ainda que o comissário europeu das Migrações e Assuntos Internos, Dimitris Avramopulos, viajará para Espanha "nos próximos dias" a pedido do presidente da Comissão Europeia, para abordar o incremento da chegada de migrantes ao país.

"Sensação de urgência"

Horas antes, numa carta endereçada ao primeiro-ministro espanhol, à qual a agência Lusa teve acesso, Jean-Claude Juncker disse partilhar a "sensação de urgência" pela situação que o incremento do fluxo de migrantes pelo Mediterrâneo gerou em Espanha.

Na carta, datada de 31 de julho e escrita em espanhol, o presidente do executivo comunitário reconheceu a necessidade de agir"mais e com maior rapidez" para fazer face à crise migratória, lamentando, todavia, o facto de os recursos do Fundo Fiduciário da União Europeia (UE) para o norte de África serem "infelizmente" limitados.

"Com o fim de reduzir os fluxos de migrantes que chegam a Espanha, estou plenamente de acordo contigo sobre a importância de fortalecer a cooperação com os países de origem, de trânsito, e de destino da migração, e, em particular, sobre a necessidade de reforçar a urgentemente a vigilância das fronteiras com Marrocos", escreveu.

O presidente da Comissão Europeia lembrou que, em 06 de julho, o Comité Operacional daquele fundo aprovou um programa de gestão de fronteiras, no valor de 55 milhões de euros. "A Comissão está a fazer tudo ao seu alcance para garantir a rápida execução desse programa", pontuou.

Juncker assumiu estar "plenamente consciente de que as necessidades manifestadas por Marrocos exigem um esforço financeiro muito superior".

"Como bem sabes, lamentavelmente os recursos do Fundo Fiduciário da UE para o norte de África são limitados", vincou, recordando a carta endereçada, em 25 de julho, pela Comissão aos Estados-membros, na qual o executivo comunitário instava os 28 a alimentar o Fundo com valores que se ajustem à realidade atual.

"Dito isto, tem a certeza de que logo que disponhamos dos fundos necessários para este programa, este será alvo de um novo incremento, tanto no decurso deste ano, como em 2019. Em todo o caso, este tema continuará uma prioridade máxima para nós", asseverou.

Mais migrantes do que em todo o ano passado

Na segunda-feira, Bruxelas confirmou estar a avaliar o pedido de ajuda de emergência adicional feito por Espanha, na sequência da entrada em Ceuta de 602 imigrantes da África subsaariana na passada quinta-feira.

O número de imigrantes resgatados pelas autoridades espanholas nesta zona até finais de julho (22 092 pessoas) já supera o total do ano passado.

Espanha é o país comunitário que mais migrantes recebeu este ano, superando Itália (18 130) e Grécia (15 528), segundo dados da Organização Internacional das Migrações.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.