Alemanha adverte que não haverá uma solução global na cimeira da UE

Porta-voz do governo alemão frisou em contrapartida a importância de chegar a "acordos bilaterais e multilaterais" na minicimeira do próximo domingo

Uma porta-voz do Governo da Alemanha advertiu esta sexta-feira que não vai haver uma solução europeia para o problema das migrações na cimeira da União Europeia (UE) da próxima semana.

"Não vai haver uma solução de conjunto para o problema migratório na cimeira da UE do final da próxima semana", disse Ulrike Demmer numa conferência de imprensa.

A porta-voz frisou em contrapartida a importância de chegar a "acordos bilaterais e multilaterais" na minicimeira do próximo domingo.

Pelo menos 16 líderes europeus vão participar na minicimeira de domingo, em Bruxelas, anunciada pela Comissão Europeia como uma "reunião informal" para encontrar "soluções europeias" para os fluxos migratórios, com vista à "próxima reunião do Conselho Europeu".

Segundo a Comissão, está confirmada a participação de dirigentes da Alemanha, França, Itália, Grécia, Malta, Espanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Croácia, Dinamarca, Eslovénia, Finlândia, Holanda, Luxemburgo e Suécia.

A gestão europeia dos fluxos migratórios voltou à ordem do dia com o caso Aquarius, um navio de uma organização não-governamental francesa com migrantes resgatados do mar que foi proibido de aportar na costa italiana e acabou por ser recebido por Espanha.

O caso deu também origem a divergências no Governo alemão, com o ministro do Interior a fazer um ultimato a Angela Merkel ameaçando encerrar as fronteiras da Alemanha "em julho" se não for conseguido um acordo entre os dirigentes europeus na cimeira de 28 e 29 de junho.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.