Alemanha adverte que não haverá uma solução global na cimeira da UE

Porta-voz do governo alemão frisou em contrapartida a importância de chegar a "acordos bilaterais e multilaterais" na minicimeira do próximo domingo

Uma porta-voz do Governo da Alemanha advertiu esta sexta-feira que não vai haver uma solução europeia para o problema das migrações na cimeira da União Europeia (UE) da próxima semana.

"Não vai haver uma solução de conjunto para o problema migratório na cimeira da UE do final da próxima semana", disse Ulrike Demmer numa conferência de imprensa.

A porta-voz frisou em contrapartida a importância de chegar a "acordos bilaterais e multilaterais" na minicimeira do próximo domingo.

Pelo menos 16 líderes europeus vão participar na minicimeira de domingo, em Bruxelas, anunciada pela Comissão Europeia como uma "reunião informal" para encontrar "soluções europeias" para os fluxos migratórios, com vista à "próxima reunião do Conselho Europeu".

Segundo a Comissão, está confirmada a participação de dirigentes da Alemanha, França, Itália, Grécia, Malta, Espanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Croácia, Dinamarca, Eslovénia, Finlândia, Holanda, Luxemburgo e Suécia.

A gestão europeia dos fluxos migratórios voltou à ordem do dia com o caso Aquarius, um navio de uma organização não-governamental francesa com migrantes resgatados do mar que foi proibido de aportar na costa italiana e acabou por ser recebido por Espanha.

O caso deu também origem a divergências no Governo alemão, com o ministro do Interior a fazer um ultimato a Angela Merkel ameaçando encerrar as fronteiras da Alemanha "em julho" se não for conseguido um acordo entre os dirigentes europeus na cimeira de 28 e 29 de junho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.