Alemanha adverte que não haverá uma solução global na cimeira da UE

Porta-voz do governo alemão frisou em contrapartida a importância de chegar a "acordos bilaterais e multilaterais" na minicimeira do próximo domingo

Uma porta-voz do Governo da Alemanha advertiu esta sexta-feira que não vai haver uma solução europeia para o problema das migrações na cimeira da União Europeia (UE) da próxima semana.

"Não vai haver uma solução de conjunto para o problema migratório na cimeira da UE do final da próxima semana", disse Ulrike Demmer numa conferência de imprensa.

A porta-voz frisou em contrapartida a importância de chegar a "acordos bilaterais e multilaterais" na minicimeira do próximo domingo.

Pelo menos 16 líderes europeus vão participar na minicimeira de domingo, em Bruxelas, anunciada pela Comissão Europeia como uma "reunião informal" para encontrar "soluções europeias" para os fluxos migratórios, com vista à "próxima reunião do Conselho Europeu".

Segundo a Comissão, está confirmada a participação de dirigentes da Alemanha, França, Itália, Grécia, Malta, Espanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Croácia, Dinamarca, Eslovénia, Finlândia, Holanda, Luxemburgo e Suécia.

A gestão europeia dos fluxos migratórios voltou à ordem do dia com o caso Aquarius, um navio de uma organização não-governamental francesa com migrantes resgatados do mar que foi proibido de aportar na costa italiana e acabou por ser recebido por Espanha.

O caso deu também origem a divergências no Governo alemão, com o ministro do Interior a fazer um ultimato a Angela Merkel ameaçando encerrar as fronteiras da Alemanha "em julho" se não for conseguido um acordo entre os dirigentes europeus na cimeira de 28 e 29 de junho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.