Microsoft trava hackers russos que atacaram sites da direita nos EUA

Empresa diz que membros do grupo Fancy Bear tentaram roubar dados de grupos conservadores norte-americanos, numa tentativa de influenciar eleições intercalares de novembro. Rússia rejeita acusações.

A Rússia rejeitou as acusações da Microsoft de que piratas informáticos ligados ao governo russo tentaram atacar os sites de dois think-tanks de direita nos EUA, numa tentativa de interferir nas eleições intercalares norte-americanas de novembro.

A gigante informática revelou num comunicado que recuperou o controlo de seis domínios da Internet "criados por um grupo largamente associado ao governo russo e conhecido como Strontium, ou alternativamente Fancy Bear". No total, nos últimos dois anos, já encerraram 84 falsos sites associados com este grupo.

"Nós não sabemos de que piratas estão a falar, como influenciaram as eleições e no que essas conclusões foram baseadas", segundo o assessor da imprensa do Kremlin, Dmitry Peskov, citado pela Interfax.

A agência russa cita também uma fonte diplomática russa que descreve as acusações da Microsoft como parte de um jogo político. "A Microsoft está a jogar jogos políticos", disse a fonte não identificada. "As eleições ainda não aconteceram, mas já há acusações", acrescentou, dizendo que a empresa estava a agir mais como um procurador do que como uma empresa privada.

"Os atacantes querem que os seus ataques pareçam tão realísticos quanto possível e por isso criam sites e URLs que parecem os sites dos quais as suas vítimas podiam esperar receber um email ou visitar", acrescentou a Microsoft. Os sites falsos pediam aos utilizadores para preencherem o seu username e password, ficando com esses dados, mas não há provas de que tenham sido usados.

Os dois mais recentes alvos do grupo seriam o International Republican Institute, que promove princípios democráticos e é liderado por um grupo de diretores que inclui seis senadores republicanos, e o Hudson Institute, que discute temas como a cibersegurança. Três outros domínios foram desenhados para parecer ligados ao Senado dos EUA.

"Estamos preocupados que estas e outras tentativas representem uma ameaça de segurança a um número alargado de grupos ligados a ambos os partidos políticos norte-americanos no período que antecede as eleições intercalares de 2018", disse a Microsoft, anunciando uma nova iniciativa gratuita para garantir proteção a todos os candidatos e campanhas a nível federal, estadual e local, assim como think tanks e outras organizações políticas que possam estar sob ataque.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.