Michigan pondera abrir inquérito a universidade após escândalo de abusos

Vítimas de Larry Nassar, médico da equipa de ginástica dos EUA, entretanto condenado por abusos sexuais, ter-se-ão queixado a funcionários da universidade, que não deram resposta

O governador do Michigan está a ponderar abrir um inquérito à universidade estadual daquela região dos Estados Unidos, na sequência da condenação por abusos sexuais do médico da instituição e da equipa nacional de ginástica, Larry Nassar.

De acordo com a porta-voz do Estado do Michigan, Anna Heaton, o governador, Rick Snyder, está a analisar se a abertura de um inquérito interfere com outras investigações em curso.

Larry Nassar foi despedido pela universidade no ano passado, após se ter confirmado que este médico da Universidade Estadual do Michigan e da equipa nacional de ginástica abusou sexualmente de mulheres e crianças.

Na quarta-feira, foi condenado no Michigan a uma pena entre 40 e 175 anos, que foi definida pela juíza que a sentenciou, Rosemarie Aquilina, como uma "pena de morte", porque o arguido nunca mais poderá sair da prisão.

Acresce uma anterior outra condenação a 60 anos por pornografia infantil.

O antigo médico deu-se como culpado de todas as acusações, mas defendeu que os métodos que utilizou eram de "um bom profissional".

Mais de 150 pessoas leram declarações durante a sentença, na semana passada, numa audiência em que estavam previstos inicialmente 55 testemunhos.

De acordo com a porta-voz do Estado do Michigan, Anna Heaton, o procurador-geral daquela região, Bill Schuette, irá avaliar o caso, já que as vítimas de Larry Nassar se haviam queixado há uns anos a funcionários da Universidade Estadual do Michigan.

A constituição do Michigan prevê que o governador possa suspender ou despedir funcionários por "negligência grave do dever público".

Na quinta-feira, a presidente da Universidade Estadual do Michigan, Lou Anna Simon, demitiu-se no seguimento deste escândalo, pedindo "sentidas desculpas" às vítimas, estudantes e professores.

O mesmo aconteceu com profissionais de ginásios onde Nassar trabalhou como médico, praticando crimes de abuso sexual de menores.

Hoje foi ainda anunciado que os diretores da Federação de Ginástica vão resignar aos cargos, após um pedido do Comité Olímpico dos Estados Unidos.

O comité olímpico deverá enfrentar outro problema, com as dezenas de vítimas que testemunharam contra Nassar a apresentarem processos civis contra este organismo.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.