México vira à esquerda e Trump felicita Obrador

Andres Manuel López Obrador, líder do partido Morena, venceu as presidenciais deste domingo no México com 53%. O presidente dos EUA, Donald Trump, já lhe deu os parabéns, através da sua conta de Twitter

A vitória do candidato do partido Morena - Movimento Nacional de Regeneração - põe fim a nove décadas de alternância no poder entre políticos do Partido Revolucionário Institucional (PRI) e do Partido de Ação Nacional (PAN). O primeiro, partido do presidente cessante Enrique Peña Nieto, tinha como candidato José Antonio Meade, o segundo apresentou-se no escrutínio encabeçado por Ricardo Anaya. Ambos reconheceram já a derrota.

Esta não foi a primeira vez que AMLO, como é conhecido, se candidatou à presidência do México. Fê-lo nas eleições de 2006 e 2012. Conseguiu a vitória à terceira e, segundo os primeiros dados, 53% dos votos expressos. Apelidado por uns de socialista progressista, por outros de nacionalista revolucionário, Andres Manuel López Obrador, de 64 anos, define-se como um teimoso que quer combater a corrupção, a pobreza e a violência no país com 120 milhões de habitantes.

Durante a campanha, prometeu ainda estreitar laços com os EUA, algo que acontece numa altura de grande crispação entre as autoridades norte-americanas e mexicanas por causa da política migratória da Administração do presidente Donald Trump. O chefe do Estado dos EUA já felicitou, entretanto, Obrador pela vitória. Através do Twitter. Como é seu hábito. "Parabéns a Andres Manuel López Obrador por se tornar o próximo presidente do México. Anseio por trabalhar com ele. Há muito para ser feito que irá beneficiar tanto os Estados Unidos e o México!"

No discurso de vitória, AMLO, que tomará posse apenas no dia 11 de dezembro, declarou: "Com o governo dos EUA procuraremos uma relação de amizade e de cooperação para o desenvolvimento, com base no respeito mútuo e na defesa dos nossos emigrantes".

Obrador apelou à união dos mexicanos. "Peço a todos os mexicanos que ponham em segundo plano os interesses pessoais por mais legítimos que sejam. Há que dar prioridade ao interesse superior", afirmou, classificando o dia das eleições como "histórico" e constatando que "uma maioria decidiu iniciar a quarta transformação da vida pública no México". E garantiu: "Não apostaremos em construir uma ditadura, nem aberta, nem encoberta". Prometendo: "Haverá liberdade empresarial, de expressão, de associação e de crenças. Escutaremos todos, atenderemos todos, respeitaremos todos, mas daremos prioridade aos mais humildes e esquecidos, em especial aos povos indígenas".

Algumas propostas de Obrador, mais ousadas, geraram alguns receios a nível internacional. O líder do Morena prometera, entre outras coisas, aumentar o salário mínimo, facilitar o acesso à internet para todos, oferecer bolsas de estudo aos estudantes, aumentar a autossuficiência alimentar do país, duplicar as pensões de idosos nos 32 estados do México. Além disso, garantiu que vai vender o avião presidencial, que vai tornar a residência do chefe do Estado num centro cultural e que vai continuar a viver no seu apartamento na Cidade do México.

Afirmando que vai respeitar a autonomia do Banco do México, bem como os compromissos contraídos com bancos e empresas nacionais e internacionais, AMLO tentou afastar o fantasma do candidato radical e antissistema. E prometeu luta sem tréguas contra a corrupção. "Se encontrarmos anomalias que afetem o interesse nacional, recorrer-se-á ao Congresso e aos tribunais nacionais e internacionais. Sempre pela via legal". E concluiu: "Será um governo do povo e para o povo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.