México. Dois adolescentes e uma criança entre os 66 mortos de explosão em oleoduto

A perfuração ilegal de uma torneira para conseguir extrair combustível, feita por um grupo de mexicanos, provocou a explosão do oleoduto no México. Estão já contabilizados 66 mortos.

Dois adolescentes de 15 anos e uma criança de dois anos estão entre os 66 mortos já contabilizados da explosão de um oleoduto no México.

De acordo com a agência Associated Press, o oleoduto terá explodido horas depois de um grupo ter invadido o local, numa pequena vila do estado mexicano de Hidalgo, a 100 quilómetros da capital, e perfurado ilegalmente uma torneira.

O Presidente mexicano, Andres Manuel Lopez Obrador, declarou uma ofensiva contra o roubo de combustível e convocou todos os setores do Governo para prestar assistência às vítimas.

Há também dezenas de feridos, alguns com queimaduras muito graves e existe o receio que haja mais corpos carbonizados.

O presidente do município, Juan Pedro Cruz, disse aos jornalistas locais que os militares do Exército tentaram isolar a área, mas não conseguiram controlar as cerca de 200 pessoas que invadiram o local para conseguir obter combustível. O autarca disse que quando o oleoduto explodiu, o combustível criou uma espécie de barreira de fogo onde estava concentrada grande parte das pessoas.

"Lamento muito a grave situação em Tlahuelilpan devido à explosão de um oleoduto. Estou em Aguascalientes e, desde que o diretor da Pemex e o Secretário de Defesa me informaram, dei instruções para controlar o incêndio e atender as vítimas", escreveu o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, em mensagem no Twitter.

Este acidente acontece num momento em que vários estados mexicanos sofrem com graves problemas de escassez de combustível, devido a uma onda persistente de roubo de gasolina, que se estima que ascenda a 3 biliões de dólares de prejuízo para o estado mexicano. As autoridades registaram no ano passado mais de dez mil prefurações para roubar gasolina nos oleodutos da Pernex.

Nas últimas duas semanas, o governo fechou vários oleodutos para impedir esses roubos. Mas essa estratégia provocou escassez de combustível numa dezena de estados do país, incluindo a capital, onde os motoristas passaram a fazer longas filas nos postos de gasolina.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.