México deteve 205 polícias suspeitos de associação com grupos criminosos

Em maio, em San Martin Texmelucan, 200 polícias já tinham sido desarmados e afastados dos cargos por suspeita de conluio com grupos criminosos

As autoridades mexicanas detiveram na quinta-feira 205 polícias, numa ação que procurou combater as altas taxas de criminalidade naquele país e as ligações entre as forças de segurança e o crime organizado.

Dos 368 polícias que trabalhavam no município de Tehuacan, no estado de Puebla, "20 estavam em situação irregular", informou o secretário de Segurança Pública em Puebla, Jesus Morales.

As autoridades estaduais decidiram assumir o controlo da Polícia Municipal de Tehuacan e de outros serviços, suspeitos de ligações com o crime organizado.

"Assumimos o controlo da prisão, do departamento da polícia, do departamento de trânsito e do centro de resposta imediata", acrescentou Morales.

"Estamos preocupados com as possíveis omissões e cumplicidades que podem existir com o crime organizado", disse o secretário-geral do estado de Puebla, Diodoro Carrasco.

As autoridades procuram agora 113 agentes que não se apresentaram ao serviço no dia em que ocorreram as detenções.

Tehuacan, o terceiro município do estado de Puebla, está localizada a 252 quilómetros da Cidade do México, a capital, e tem 320 mil habitantes.

No mesmo estado, em San Martin Texmelucan, 200 polícias já tinham sido desarmados e afastados das suas funções a 02 de maio por suspeita de conluio com grupos criminosos.

Outras operações semelhantes foram realizadas este ano em outras regiões do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.