México deteve 205 polícias suspeitos de associação com grupos criminosos

Em maio, em San Martin Texmelucan, 200 polícias já tinham sido desarmados e afastados dos cargos por suspeita de conluio com grupos criminosos

As autoridades mexicanas detiveram na quinta-feira 205 polícias, numa ação que procurou combater as altas taxas de criminalidade naquele país e as ligações entre as forças de segurança e o crime organizado.

Dos 368 polícias que trabalhavam no município de Tehuacan, no estado de Puebla, "20 estavam em situação irregular", informou o secretário de Segurança Pública em Puebla, Jesus Morales.

As autoridades estaduais decidiram assumir o controlo da Polícia Municipal de Tehuacan e de outros serviços, suspeitos de ligações com o crime organizado.

"Assumimos o controlo da prisão, do departamento da polícia, do departamento de trânsito e do centro de resposta imediata", acrescentou Morales.

"Estamos preocupados com as possíveis omissões e cumplicidades que podem existir com o crime organizado", disse o secretário-geral do estado de Puebla, Diodoro Carrasco.

As autoridades procuram agora 113 agentes que não se apresentaram ao serviço no dia em que ocorreram as detenções.

Tehuacan, o terceiro município do estado de Puebla, está localizada a 252 quilómetros da Cidade do México, a capital, e tem 320 mil habitantes.

No mesmo estado, em San Martin Texmelucan, 200 polícias já tinham sido desarmados e afastados das suas funções a 02 de maio por suspeita de conluio com grupos criminosos.

Outras operações semelhantes foram realizadas este ano em outras regiões do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).