México deteve 205 polícias suspeitos de associação com grupos criminosos

Em maio, em San Martin Texmelucan, 200 polícias já tinham sido desarmados e afastados dos cargos por suspeita de conluio com grupos criminosos

As autoridades mexicanas detiveram na quinta-feira 205 polícias, numa ação que procurou combater as altas taxas de criminalidade naquele país e as ligações entre as forças de segurança e o crime organizado.

Dos 368 polícias que trabalhavam no município de Tehuacan, no estado de Puebla, "20 estavam em situação irregular", informou o secretário de Segurança Pública em Puebla, Jesus Morales.

As autoridades estaduais decidiram assumir o controlo da Polícia Municipal de Tehuacan e de outros serviços, suspeitos de ligações com o crime organizado.

"Assumimos o controlo da prisão, do departamento da polícia, do departamento de trânsito e do centro de resposta imediata", acrescentou Morales.

"Estamos preocupados com as possíveis omissões e cumplicidades que podem existir com o crime organizado", disse o secretário-geral do estado de Puebla, Diodoro Carrasco.

As autoridades procuram agora 113 agentes que não se apresentaram ao serviço no dia em que ocorreram as detenções.

Tehuacan, o terceiro município do estado de Puebla, está localizada a 252 quilómetros da Cidade do México, a capital, e tem 320 mil habitantes.

No mesmo estado, em San Martin Texmelucan, 200 polícias já tinham sido desarmados e afastados das suas funções a 02 de maio por suspeita de conluio com grupos criminosos.

Outras operações semelhantes foram realizadas este ano em outras regiões do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.