México deteve 205 polícias suspeitos de associação com grupos criminosos

Em maio, em San Martin Texmelucan, 200 polícias já tinham sido desarmados e afastados dos cargos por suspeita de conluio com grupos criminosos

As autoridades mexicanas detiveram na quinta-feira 205 polícias, numa ação que procurou combater as altas taxas de criminalidade naquele país e as ligações entre as forças de segurança e o crime organizado.

Dos 368 polícias que trabalhavam no município de Tehuacan, no estado de Puebla, "20 estavam em situação irregular", informou o secretário de Segurança Pública em Puebla, Jesus Morales.

As autoridades estaduais decidiram assumir o controlo da Polícia Municipal de Tehuacan e de outros serviços, suspeitos de ligações com o crime organizado.

"Assumimos o controlo da prisão, do departamento da polícia, do departamento de trânsito e do centro de resposta imediata", acrescentou Morales.

"Estamos preocupados com as possíveis omissões e cumplicidades que podem existir com o crime organizado", disse o secretário-geral do estado de Puebla, Diodoro Carrasco.

As autoridades procuram agora 113 agentes que não se apresentaram ao serviço no dia em que ocorreram as detenções.

Tehuacan, o terceiro município do estado de Puebla, está localizada a 252 quilómetros da Cidade do México, a capital, e tem 320 mil habitantes.

No mesmo estado, em San Martin Texmelucan, 200 polícias já tinham sido desarmados e afastados das suas funções a 02 de maio por suspeita de conluio com grupos criminosos.

Outras operações semelhantes foram realizadas este ano em outras regiões do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.