México captura líder do Cartel Jalisco Nova geração e anuncia extradição para EUA

A detenção de Jesus Contreras, acusado de tráfico de droga, ocorreu sem recurso a violência

As autoridades mexicanas anunciaram no sábado a captura de um dos líderes do Cartel Jalisco Nova Geração, numa operação da Polícia Federal no estado central de Querétaro, e a intenção de extraditar Jesus Contreras para os Estados Unidos.

"Deu-se cumprimento no estado de Queretaro à ordem de detenção com fins de extradição internacional contra Jesus "C", fugitivo procurado pelas autoridades dos Estados Unidos", informou o procurador do Ministério Público em comunicado.

Após investigações, os agentes da Polícia Federal efetuaram a detenção "sem o uso de violência ou envolvimento de terceiros".

Sob Jesus "C" pendem acusações dos Estados Unidos por responsabilidade em crimes contra a saúde (tráfico de drogas), operações praticadas através de recursos ilegais e associação criminosa.

A detenção realizou-se em conformidade com um pedido de extradição feito pelo Governo dos Estados Unidos e de acordo com o tratado entre os dois países nesta matéria, concluiu o procurador.

De acordo com os 'media' locais, o detido é Jesus Contreras, identificado como um dos líderes do poderoso cartel e responsável pelas finanças da organização criminosa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.