Mexicano detido pela polícia anti-imigração quando levava a mulher para dar à luz

Joel Arrona transportava a mulher que ia ter o filho de cesariana, mas teve de abastecer numa bomba de gasolina. Foi detido e quem guiou até à maternidade foi a grávida

O caso é contado pela estação de televisão CBS2 News, que refere a visualização das imagens do vídeo de segurança da bomba de gasolina em San Bernardino, Califórnia, onde Joel Arrona foi detido, na passada quarta-feira.

O homem levava a esposa para o hospital para uma cesariana, quando tiveram que parar numa bomba de gasolina. Ele foi abastecer o carro e a mulher entrou na loja de conveniência do posto, o que se percebe na visualização das imagens da câmara de vigilância.

Pararam dois SUVs do ICE, a agência norte-americana de imigração e fronteiras, e bloquearam o veículo contou a mulher, Maria del Carmen Venegas, à estação. Pediram a identificação a Joel Arrona, que disse que não a tinha ali, mas moravam perto e poderiam ir a casa para trazer os documentos.

Os agentes pediram, então, a Arrona para sair do veículo, revistaram o carro à procura de armas e colocaram-no sob custódia, deixando Maria sozinha no posto de gasolina.

A mulher acabaria por conduzir o carro ao hospital, onde teve o bebé esta sexta-feira. Disse que foi a primeira vez que foram, interpelados pela polícia e que a família estava a tentar contratar um advogado.

"Sinto-me muito mal", disse Maria à estação, lamentando: "O meu marido precisa de estar aqui. Teve que esperar pelo filho tanto tempo, e, simplesmente, levaram-no".

Em comunicado, a ICE justificou: "O senhor Arrona-Lara, um cidadão do México que reside ilegalmente nos Estados Unidos, foi detido na quarta-feira pela ICE Fugitive Operations Team em San Bernardino, Califórnia. Está atualmente sob custódia do ICE".

Acrescentam: "O ICE continua a concentrar esforços para deter os indivíduos que representam uma ameaça à segurança nacional, à segurança pública e à segurança das fronteiras. Age em conformidade com a lei federal e a política da agência. Todas as pessoas que violarem as leis de imigração estão sujeitas à prisão, detenção e à expulsão dos EUA".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.