Metade dos alemães opõe-se a um novo mandato de Angela Merkel

Merkel ainda não anunciou se vai ou não candidatar-se a um quarto mandato

Metade dos alemães preferem que a atual chanceler Angela Merkel não se apresente à reeleição nas eleições legislativas de 2017, um dos piores resultados da líder conservadora alemã, segundo uma sondagem hoje publicada pelo jornal Bild am Sonntag.

Esta sondagem é divulgada um dia depois do semanário Der Spiegel ter avançado que Merkel, considerada como a mulher mais poderosa da Europa, tinha ponderado anunciar a sua candidatura para um quarto mandato à frente do governo alemão ainda este ano, mas que tinha recuado.

De acordo com o semanário alemão, a chanceler terá adiado a decisão por causa crise dos refugiados e de problemas internos no seio da coligação governamental.

A sondagem do Bild am Sonntag revelou que a chanceler alemã consegue um apoio global na ordem dos 42%, contra os 50% dos inquiridos que se manifestam contra um novo mandato da chanceler.

Os números são mais favoráveis para Merkel quando só questionados eleitores do bloco conservador, que integra a força partidária da chanceler, a União Democrata Cristã (CDU), e o seu aliado político no estado da Baviera, a União Social-Cristã da Baviera (CSU): a taxa de apoio ronda os 70%, enquanto 22% está contra a sua possível candidatura.

De acordo com o Der Spiegel, Merkel atrasou o anúncio da sua candidatura porque o líder da CSU, Horst Seehofer, ainda não decidiu se a sua força partidária vai apoiar a líder conservadora nas próximas eleições, uma decisão inédita que poderá representar uma rutura histórica entre as duas formações.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.