Merkel não desiste de acordo para os migrantes

Sem entendimento global à vista, chanceler vai trabalhar para estabelecer acordos bilaterais. Mas não adianta como vai resolver a crise política interna aberta com o ministro do Interior

A governante alemã Angela Merkel vai continuar à procura de uma solução para o problema migratório em conjunto com outros líderes europeus, anunciou o seu porta-voz, Steffen Seibert. "A chanceler está a trabalhar com parceiros europeus para discutir soluções europeias", disse.

Esta declaração vem na sequência da cimeira que decorreu ontem em Bruxelas com líderes de 16 países, sem que os participantes chegassem a entendimento para o Conselho Europeu que vai decorrer nos dias 28 e 29.

Para o presidente francês Emmanuel Macron não há uma crise de migrantes, mas sim "uma crise política", e defendeu a ideia de multas para os países que recusem receber migrantes.


Face à divisão europeia sobre o acolhimento de migrantes, a líder alemã propôs o estabelecimento de acordos bilaterais.

Na Alemanha, além da frente externa, o tema está neste momento na ordem do dia na frente interna. O líder da CSU, partido irmão da CDU na Baviera, e ministro do Interior, Horst Seehofer, opõe-se publicamente à chanceler e quer adotar políticas migratórias mais restritivas. De tal forma que Seehofer desafiou Merkel a acabar com a grande coligação CDU-CSU e SPD.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.