Derrota histórica de Merkel em Berlim

É o pior resultado do pós-guerra. Direita populista ganha terreno

Os resultados em Berlim das eleições regionais da cidade-estado e capital alemã mostraram hoje o desgaste que sofre a grande coligação da chanceler Angela Merkel, assim como o auge da direita radical, imparável a um ano das legislativas.

A União Democrata Cristã (sigla em alemão CDU) de Merkel sofreu um novo revés e caiu para os 17,7%, um mínimo histórico desde 1948, destacou o jornal conservador Frankfurter Allgemeine, mais de cinco pontos menos do que o resultado obtido em 2011 na capital.

O seu parceiro na grande coligação, o Partido Social-Democrata (sigla em alemão SPD) manteve-se como a primeira força na capital, mas conseguiu apenas 21,9%, seis pontos e meio menos do que em 2011, de acordo com resultados parciais divulgados às 19:00 (menos uma hora em Lisboa), três horas depois do encerramento das urnas, pela estação de televisão pública ARD.

Os resultados dos dois partidos juntos não são suficientes para repetir a aliança que governou até agora em Berlim.

A Esquerda chegou aos 15,6%, o que significa uma subida de quatro pontos, e os Verdes conseguiram 15,3%, uma queda de dois pontos.

O partido representante da direita radical, Alternativa para a Alemanha (sigla em alemão AfD) obteve 13,8% dos votos, ganhando assim lugares no parlamento regional.

As regionais de Berlim abrangem 2,5 milhões de eleitores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Operação Marquês

Granadeiro chama 5.º mais rico do mundo para o defender

O quinto homem mais rico do mundo, o mexicano Carlos Slim Helú, é uma das 15 testemunhas que Henrique Granadeiro nomeou para serem ouvidas na fase de instrução do processo Marquês. Começa hoje a defesa do antigo líder da Portugal Telecom, que é acusado de ter recebido 24 milhões de euros do GES para beneficiar o grupo em vários negócios.