Merkel e Macron à procura da sintonia franco-alemã

Líderes quiseram dar imagem de união nas reformas europeias, mas não conseguiram esconder que não coincidem nas prioridades. Em junho há conselho de ministros conjunto

A construção europeia foi o tema de conversa entre Angela Merkel e Emmanuel Macron num edifício em obras no centro de Berlim. Mas se a anfitriã apelou ao espírito de compromisso sobre a reforma da zona do euro, o presidente francês voltou a destacar a importância da solidariedade entre os membros da união monetária.

A escolha do local do encontro entre a chanceler alemã e o presidente francês para discutir o futuro da União Europeia não foi fruto do acaso: o Humboldt Forum, um futuro museu que vai acolher os atuais museus de etnologia e de arte asiática. O simbolismo está à vista. Ali viveram reis e imperadores no Palácio de Berlim. O edifício foi destruído em parte por bombardeamentos dos aliados na II Guerra Mundial, e demolido em 1950 pela Alemanha de Leste. E a partir de 2019 será um pólo cultural com a ambição de figurar entre os mais importantes museus do mundo.

Os dois líderes anunciaram que vão apresentar uma frente unida na reunião de junho dos líderes da UE sobre a reforma da zona euro, que "ainda não é suficientemente à prova de crise", segundo Merkel.

Macron foi convencer a chefe do governo alemão da necessidade da criação de um orçamento autónomo para apoiar o investimento e o crescimento e a criação do cargo de ministro das Finanças da união monetária. Na terça-feira, tinha apresentado as suas ideias sobre o futuro da Europa no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, e mais tarde debateu-as com concidadãos na pequena cidade de Épinal.

Já a chanceler insistiu na primazia dos "esforços nacionais" por parte dos respetivos governos para realizarem poupanças orçamentais e reformas para tornar as economias mais competitivas. "Concordamos na necessidade de solidariedade na Europa, mas também que a competitividade é necessária", disse.

Se Macron descreveu a reconstrução da zona euro como o "coração" do seu projeto, Merkel mencionou o tema em último na lista de reformas necessárias na Europa. A política migratória e de asilo comum, por exemplo, estão no topo.

A união bancária é outro projeto considerado urgente por Macron para permitir a gestão conjunta de falências bancárias. Mas Angela Merkel reiterou a recusa do seu país na criação imediata de um fundo europeu de garantia de depósitos. A Alemanha não rejeita a ideia, mas "não num futuro próximo". Berlim exige que em primeiro lugar os bancos de todos os países da zona euro sejam saneados a nível nacional.

"Não nos falta trabalho e também não nos falta vontade, como devem reparar", disse Macron, que relembrou a importância de combater as forças populistas na Europa: "Vivemos num momento de aventura europeia que é verdadeiramente único. Também dentro dos nossos países há sérias dúvidas e fortes visões nacionalistas."

Emmanuel Macron e Angela Merkel vão na próxima semana a Washington encontrar-se com Donald Trump, em viagens separadas. As relações transatlânticas, os acordos de comércio e a guerra na Síria serão alguns dos temas a abordar.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.