Aprovar orçamento europeu será "quadratura do círculo", diz Merkel

Em declarações aos jornalistas após um encontro com o primeiro-ministro, António Costa, em Lisboa, a chanceler alemã disse acreditar que, "com um pouco de boa vontade", os Estados-membros serão "bem-sucedidos".

A chanceler alemã, Angela Merkel, admitiu hoje que a aprovação do próximo orçamento da União Europeia "será tão complicada como a quadratura do círculo", mas disse acreditar que, "com um pouco de boa vontade", os Estados-membros serão "bem-sucedidos".

"A aprovação do quadro financeiro plurianual [2021-2027] será tão complicada como a quadratura do círculo, depois da saída de um país, de um contribuinte líquido [Reino Unido, em março de 2019], e ao mesmo tempo com o acréscimo de tarefas. É de facto um enorme desafio", afirmou hoje a chefe do Governo alemão, em declarações aos jornalistas após um encontro com o primeiro-ministro, António Costa, em Lisboa.

Merkel ressalvou: "Enquanto União Europeia, temos de enfrentar esses desafios e, com um pouco de boa vontade, seremos bem-sucedidos", declarou.

A chanceler alemã recordou que, no seu primeiro dia de visita a Portugal, visitou no Porto e em Braga "projetos que foram financiados com fundos europeus".

"Um país como Portugal quer convergência com os Estados-membros da União Europeia. Temos interesse que haja essa convergência, porque caso contrário muitos dos benefícios, como livre circulação, são sempre postos à prova. Temos interesse no desenvolvimento comparável nos países", comentou.

Angela Merkel falava ao lado de António Costa, em conferência de imprensa, no Palácio Foz, em Lisboa, após uma reunião bilateral, que encerra uma visita de dois dias da chanceler alemã em Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".