Merkel abre a porta a acordo com Macron sobre reforma da zona euro

Chanceler alemã diz estar preparada para chegar a um compromisso, a três semanas de cimeira chave sobre o tema.

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse que a Alemanha deve estar preparada para chegar a um compromisso com a França no que diz respeito à reforma da zona euro, mostrando a sua abertura para negociar a três semanas de uma cimeira europeia em que o futuro do bloco está em jogo.

"Acho que vamos ao encontro um do outro com reformas à união monetária, mas estas reformas não são as únicas reformas de que precisamos", afirmou, mencionando as políticas de asilo, migração, desenvolvimento e segurança, segundo a agência Reuters.

"Com estas reformas, só vamos trabalhar com acordos", afirmou Merkel, num debate sobre a Europa promovido pela televisão alemã WDR.

"Aqueles que não forem capazes de chegar a um compromisso, vão contribuir para a rutura da Europa", afirmou.

Emmanuel Macron defendeu em março, durante a visita de Merkel a Paris após ter sido confirmada para um quarto mandato à frente da Alemanha, a necessidade de preparar um "roteiro claro e ambicioso até final de junho" para refundar a União Europeia, procurando ultrapassar as diferenças que existem entre ambos.

Merkel tem estado dividida entre chegar a acordo com Macron e manter os parceiros conservadores, que acusam o líder francês de procurar "uma união de transferências", na qual os países que recusam qualquer reforma seriam compensados com dinheiro alemão.

"Pessoalmente, não vejo funhdos tão extensos que possam ser administrados a nível intergovernamental como a proposta francesa prevê", afirmou Merkel à WDR.

"Mas consigo imaginar que temos que fazer algo, e algo mais do que para os países que não estão no euro, para a convergência da zona euro", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.