Menino de 4 anos morreu atingido por árvore derrubada pelo vento em parque de Madrid

Pai sobreviveu, ficando com uma perna partida, e o parque acabou por ser fechado. A árvore tinha sido examinada a semana passada

Um menino de quatro anos morreu este sábado quando uma árvore lhe caiu em cima no parque madrileno El Retiro, pouco depois de rajadas de vento forte terem levado a câmara municipal de Madrid a evacuar o recinto.

Um pinheiro que tinha sido examinado a semana passada caiu sobre a criança, que caminhava numa zona de passagem dentro do parque acompanhada pelo pai, que sobreviveu com uma perna partida e foi levado para o hospital a sofrer um ataque de ansiedade.

Os serviços de emergência médica que acorreram ao lugar ao início da tarde já não puderam fazer nada para salvar o menino, que morava num município fora da capital espanhola.

É a quarta vez em quatro anos que há um acidente destes em Madrid e a segunda no emblemático parque de Madrid, onde em 2014 morreu um homem também atingido por uma árvore.

A autarquia madrilena decidiu pouco antes das 13:00 fechar o parque, que durante toda a manhã tinha estado em "nível laranja" por causa de rajadas de vento superiores a 70 quilómetros por hora, definido por um protocolo em vigor desde 2016 para prevenir mortes por queda de árvores.

Durante a madrugada tinham caído duas outras árvores.

"Foi claramente, digo e repito, um acidente e uma fatalidade. Aquelas zonas estavam inspecionadas, a árvore estava inspecionada, todo o parque estava avaliado. Compreendam que não se podem prever todas as circunstâncias, que não sabem como lamentamos", declarou a vereadora Inés Sabanés.

Todos os principais espaços verdes de Madrid estarão fechados até segunda-feira, tal como o jardim zoológico da capital espanhola, também encerrado ao início da tarde por causa da queda de vários ramos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."