Menino de 4 anos morreu atingido por árvore derrubada pelo vento em parque de Madrid

Pai sobreviveu, ficando com uma perna partida, e o parque acabou por ser fechado. A árvore tinha sido examinada a semana passada

Um menino de quatro anos morreu este sábado quando uma árvore lhe caiu em cima no parque madrileno El Retiro, pouco depois de rajadas de vento forte terem levado a câmara municipal de Madrid a evacuar o recinto.

Um pinheiro que tinha sido examinado a semana passada caiu sobre a criança, que caminhava numa zona de passagem dentro do parque acompanhada pelo pai, que sobreviveu com uma perna partida e foi levado para o hospital a sofrer um ataque de ansiedade.

Os serviços de emergência médica que acorreram ao lugar ao início da tarde já não puderam fazer nada para salvar o menino, que morava num município fora da capital espanhola.

É a quarta vez em quatro anos que há um acidente destes em Madrid e a segunda no emblemático parque de Madrid, onde em 2014 morreu um homem também atingido por uma árvore.

A autarquia madrilena decidiu pouco antes das 13:00 fechar o parque, que durante toda a manhã tinha estado em "nível laranja" por causa de rajadas de vento superiores a 70 quilómetros por hora, definido por um protocolo em vigor desde 2016 para prevenir mortes por queda de árvores.

Durante a madrugada tinham caído duas outras árvores.

"Foi claramente, digo e repito, um acidente e uma fatalidade. Aquelas zonas estavam inspecionadas, a árvore estava inspecionada, todo o parque estava avaliado. Compreendam que não se podem prever todas as circunstâncias, que não sabem como lamentamos", declarou a vereadora Inés Sabanés.

Todos os principais espaços verdes de Madrid estarão fechados até segunda-feira, tal como o jardim zoológico da capital espanhola, também encerrado ao início da tarde por causa da queda de vários ramos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.