Menina de oito anos é a mais nova a escalar o Monte Kilimanjaro

Roxy e a família escalaram o ponto mais alto de África durante seis dias

Roxy Getter, uma menina de oito anos, natural de Punta Gorda, Florida, alcançou o topo do Monte Kilimanjaro, na Tanzânia, tornando-se assim na rapariga mais nova a realizar o feito. Roxy escalou a montanha, com uma altura de 5895 metros, acompanhada da família, nomeadamente o irmão de dez anos, Ben.

"Eles foram incríveis. Não se queixaram, simplesmente continuaram, um passo depois do outro. Na verdade, eles fizeram com que continuássemos. Estamos muito orgulhosos", disse Sarah Getter, a mãe das crianças, em declarações à BBC.

Antes de iniciar as férias em África, a família fez uma preparação prévia para a escalada, o que foi um desafio tendo em conta o terreno plano do estado da Florida. Subiram e desceram escadas de estádios e correram em pontes e campos de treino.

Mas não houve preparação prévia para a temperatura que se sentia quando alcançaram o topo do Monte Kilimanjaro: sete grau. "As coxas tremem e os joelhos doem mas ficamos aliviados por ter acabado e por termos conseguido", disse Sarah.

Foi ainda durante a escalada que a família acampou pela primeira vez e os mais novos não perderam o entusiasmo. "O primeiro dia foi um dos mais difíceis", disse Roxy. "Achei que não ia conseguir chegar ao topo mas consegui".

"Posso escalar outras montanhas mais pequenas mas não acho que volto a escalar algo tão alto novamente", concluiu a pequena alpinista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.