Menina curda de dois anos morta por bala em perseguição policial

Criança seguia numa carrinha de transporte de migrantes intercetada pela polícia

O Ministério Público de Mons anunciou esta quinta-feira que a menina curda de dois anos que morreu na quinta-feira numa carrinha que transportava migrantes intercetada pela polícia foi atingida por uma bala.

"A autópsia permitiu determinar que a causa da morte foi uma bala que entrou na bochecha", disse à AFP um responsável do Ministério Público de Mons (70 quilómetros a sul de Bruxelas), Frédéric Bariseau, escusando-se a confirmar se o disparo foi feito pela polícia e recomendando "prudência" em relação a esta hipótese.

Segundo a imprensa belga, a perseguição ocorreu na autoestrada E42 Namur-Mons, na noite de quarta para quinta-feira, e a divisão de Tournai do procurador do Rei tinha já adiantado a hipótese de ter sido a polícia a disparar sobre a criança.

Segundo a procuradoria de Tournai, a carrinha foi intercetada pela polícia que, ameaçada pelo condutor do veículo, disparou para o fazer parar.

Na carrinha estavam 30 pessoas, das quais quatro crianças, tendo a menina de dois anos sido assistida por socorristas, sem sucesso, no local.

A operação policial está a ser investigada por uma entidade independente, foi ainda adiantado.

Ler mais

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.