Menina de 11 anos deu à luz em Murcia

Criança e pais não sabiam da gravidez

Uma menina de 11 anos deu à luz um filho no hospital de Murcia, Espanha, no sábado passado. Segundo o El País, que cita um porta-voz do hospital, mãe e filho estão bem.

A criança de 11 anos deu entrada no hospital na sexta-feira passada: os pais chamaram uma ambulância porque acreditavam que a filha teria um problema de estômago que lhe estava a provocar dores fortes. "Nem a criança nem nenhum dos membros da família disseram que estava grávida e quando foram questionados afirmaram que não sabiam", revelou a Cadena Ser. O parto foi natural e a menina não teve de passar pelo bloco operatório.

A família será de origem boliviana e o hospital, como acontece nestes casos, foi obrigado a ativar o protocolo e informar as autoridades e os serviços da segurança social: tal como em Portugal, em Espanha a idade mínima para consentir uma relação sexual são os 16 anos, pelo que será necessário agora averiguar eventuais responsáveis pelo delito.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.