Médium acusado de abusos sexuais entrega-se à polícia

Conhecido como o médium das estrelas, João de Deus era considerado "fugitivo" da Justiça para o Ministério Público desde sábado

O médium brasileiro João Teixeira de Faria, conhecido como João de Deus, entregou-se hoje à polícia para cumprir uma ordem de prisão preventiva decretada na sexta-feira por alegados abusos sexuais conta centenas de mulheres, segundo fontes oficiais.

O curandeiro, de 76 anos, entregou-se nas proximidades de Abadiânia, localidade do interior do estado de Goiás, onde estabeleceu a sua base para receber os seguidores e fazer "cirurgias psíquicas".

João de Deus era considerado "fugitivo" da Justiça para o Ministério Público desde sábado, mas a polícia e a secretaria de Segurança de Goiás nunca o consideraram como tal, uma vez que estavam a negociar a sua entrega.

Líder espiritual, que ganhou fama internacional pelos seus supostos dotes curativos, João de Deus foi denunciado por pelo menos 335 mulheres do Brasil e de outro países de que terá abusado sexualmente durante as sessões.

O Ministério Público do estado de Goiás, no centro do Brasil, foi obrigado a montar uma equipa especial para processar a quantidade de denúncias recebidas na última semana contra o guru.

Segundo os investigadores do caso, citados pelo jornal "O Globo", a partir das primeiras denúncias foram retirados cerca de 30 milhões de reais (cerca de oito milhões de euros) de contas bancárias em nome de João de Deus, que na sua página na Internet assegura que não sabe ler nem escrever.

A defesa do médium nega todas as acusações e anunciou que apresentará um pedido de "habeas corpus" para reverter a prisão preventiva.

As primeiras denúncias contra o médium surgiram na semana passada, quando uma dezena de mulheres relataram em diferentes meios de comunicação que o curandeiro abusou delas.

Na sua única apresentação pública após as denúncias, na quarta-feira, João de Deus declarou-se inocente e manifestou o desejo de cumprir a lei brasileira.

O Ministério Público disse ter recebido, até ao momento, 335 denúncias procedentes de "mais de metade" dos 27 estados do Brasil e de outros seis países: Alemanha, Austrália, Bélgica, Bolívia, Estados Unidos e Suíça.

Seguidor da doutrina fundada em meados do século XIX pelo francês Allan Kardec, o médium realiza desde 1976 alegadas "curas milagrosas" numa espécie de templo que fundou na cidade de Abadiânia, onde mensalmente chegam milhares de pessoas, muitas delas estrangeiras.

A reputação do médium ultrapassou largamente as fronteiras do Brasil, tendo, em 2012, recebido a visita da então apresentadora de televisão norte-americana Oprah Winfrey.

Os dois últimos Presidentes brasileiros, Lula da Silva e Dilma Rousseff, e o chefe de Estado cessante, Michel Temer, também procuraram as consultas espirituais de João de Deus por questões de saúde.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.