Médico de equipa universitária abusou de 177 alunos

Aconteceu nos EUA. Os alunos afetados estão agora a pedir à universidade que se responsabilize pelos danos causados. Presidente do estado de Ohio admitiu "fracasso institucional consistente".

Morreu um 2005, mas a sua memória permanece viva junto da Universidade de Ohio, nos EUA, e dos ex-alunos. O médico da equipa de atletismo universitária Richard Strauss é acusado de ter abusado sexualmente de pelo menos 177 estudantes do sexo masculino, entre 1979 e 1997, segundo a BBC. Só numa investigação recente feita pela universidade, quase três décadas depois, é que levaria a este número avassalador.

O relatório final da investigação conta que os abusos aconteceram em vários locais em redor do campus, como salas de exame, balneários, chuveiros e saunas. O médico pedia para realizar exames aos jovens sem qualquer necessidade. Os funcionários do estabelecimento de ensino alegou que, apesar das queixas dos alunos, não conseguiram evitar o sucedido.

"Lamentamos muito que isso tenha acontecido", disse o presidente do Estado de Ohio, Michael Drake, numa conferência de imprensa. E admitiu que houve um "fracasso institucional consistente" na universidade. Contudo, garante que "esta não é a universidade de hoje".

Agora, os vários ex-alunos afetados deram entrada a processos judiciais e estão a pedir à universidade para assumir a responsabilidade pelos danos infligidos. "Sonhos foram quebrados, os relacionamentos com os entes queridos foram danificados e os danos agora são transferidos para os nossos filhos, já que muitos de nós nos tornamos tão superprotetores que prejudicam o relacionamento com nossos filhos", disse Kent Kilgore, ex-nadador do estado de Ohio, em comunicado.

O médico acabou por se reformar em 1998 e em 2005 suicidou-se.

A Universidade de Ohio, contudo, não é caso único. Já em maio de 2018, a Universidade do Estado de Michigan acordou pagar 500 milhões de dólares para 332 ginastas abusados também por um ex-médico.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.