Médico australiano saiu da gruta e recebeu a notícia da morte do pai

Foi um dos heróis da operação de resgate na Tailândia, mas não chegou a ter tempo para festejar

Richard Harris, o médico australiano que acompanhou as crianças na gruta de Tham Luang, foi ontem o último membro da equipa de resgate a deixar a gruta. Mas não teve muito tempo para festejar o sucesso da missão: pouco depois recebeu a notícia da morte do pai.

O médico anestesista, especialista em mergulho, esteve nos três dias da operação de salvamento, percorrendo diariamente quatro quilómetros pelos túneis da gruta, para chegar ao grupo de 12 crianças e o professor, e voltando a sair no fim das operações diárias. Foi ele quem avaliou a saúde psíquica e física das crianças, e que as considerou aptas a tentar o percurso de regresso.

"É com grande tristeza que confirmo que o pai de Harry faleceu a noite passada, pouco depois de ter sido concluída a operação de resgate na Tailândia. Harry voltará para casa em breve e tirará algum tempo para estar com a família", afirmou um responsável do serviço onde trabalha o médico australiano. Não foram divulgadas as circunstâncias da morte.

Na quarta-feira, a ministra dos Negócios Estrangeiros australiana, Julie Bishop, afirmou que Richard Harris desempenhou um papel "integral" nas operações de salvamento. A presença em Tham Luang do médico australiano, que tem mais de 30 anos de experiência de mergulho, foi especificamente pedida pela equipa de mergulhadores britânicos que se juntou no norte da Tailândia para tentar resgatar as 13 pessoas presas na gruta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.