Médico australiano saiu da gruta e recebeu a notícia da morte do pai

Foi um dos heróis da operação de resgate na Tailândia, mas não chegou a ter tempo para festejar

Richard Harris, o médico australiano que acompanhou as crianças na gruta de Tham Luang, foi ontem o último membro da equipa de resgate a deixar a gruta. Mas não teve muito tempo para festejar o sucesso da missão: pouco depois recebeu a notícia da morte do pai.

O médico anestesista, especialista em mergulho, esteve nos três dias da operação de salvamento, percorrendo diariamente quatro quilómetros pelos túneis da gruta, para chegar ao grupo de 12 crianças e o professor, e voltando a sair no fim das operações diárias. Foi ele quem avaliou a saúde psíquica e física das crianças, e que as considerou aptas a tentar o percurso de regresso.

"É com grande tristeza que confirmo que o pai de Harry faleceu a noite passada, pouco depois de ter sido concluída a operação de resgate na Tailândia. Harry voltará para casa em breve e tirará algum tempo para estar com a família", afirmou um responsável do serviço onde trabalha o médico australiano. Não foram divulgadas as circunstâncias da morte.

Na quarta-feira, a ministra dos Negócios Estrangeiros australiana, Julie Bishop, afirmou que Richard Harris desempenhou um papel "integral" nas operações de salvamento. A presença em Tham Luang do médico australiano, que tem mais de 30 anos de experiência de mergulho, foi especificamente pedida pela equipa de mergulhadores britânicos que se juntou no norte da Tailândia para tentar resgatar as 13 pessoas presas na gruta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.