'Mayor' da capital de Porto Rico acusa Trump de matar ilhéus com ineficiência

O Presidente dos EUA prometeu não poupar esforços para ajudar Porto Rico a recuperar dos efeitos do furacão Maria, mas a 'mayor' da capital acusou o governo norte-americano de estar "a matar" os ilhéus com a sua ineficiência.

A chefe da autarquia de San Juan, Carmen Yulin Cruz, implorou a Donald Trump que "garantisse que alguém está a dirigir, com a tarefa de salvar vidas", enquanto o Presidente já garantiu que os dirigentes do governo porto riquenho e o pessoal dos serviços de emergência estão a trabalhar no limite, contra dificuldades assustadoras, com "resultados incríveis".

Na sexta-feira, a secretária da Segurança Interna, Elaine Duke, visitou a ilha, vendo os estragos, durante uma viagem de helicóptero, e ofereceu encorajamentos a cerca de 10 mil trabalhadores dos serviços de emergência, que garantiu estarem no terreno colocados pelo governo de Trump.

Duke tentou também afastar-se das observações que fez um dia antes, nas quais classificou o esforço federal de ajuda como "uma história de boas-notícias".

Mas aqui enfrentou um forte vendaval de críticas.

Cruz respondeu à letra: "Esta é uma história de as-pessoas-estão-a-morrer".

Em conferência de imprensa, Cruz acentuou: "Estamos a morrer e o senhor (dirigindo-se a Trump) está a matar-nos com a ineficiência. Estou a implorar, a implorar a alguém que nos possa ouvir, que nos salvem da morte".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.