May enfrenta rebelião de 80 deputados dos Tories contra o seu plano para o Brexit

Boris Johnson, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros de Theresa May, diz que a primeira-ministra conservadora tenciona pôr "um colete suicida" à volta da Constituição britânica e "entregar o detonador a Bruxelas"

O governo de Theresa May e todo o processo do brexit poderão vir a ser postos em causa se deputados do próprio Partido Conservador da primeira-ministra britânica decidirem rebelar-se contra o seu plano para a saída do Reino Unido da União Europeia, ou seja, a chamada proposta de Chequers.

O alerta vem de Steve Baker, ex-vice-ministro para o brexit, que se demitiu em julho, precisamente por estar contra a proposta aprovada pelo governo conservador numa tensa reunião em Chequers, sudeste de Inglaterra, nesse mesmo mês. Essa contempla um plano de brexit mais suave, que passa por propor à UE a criação de uma zona de comércio livre de bens após o brexit, o que evitaria controlos aduaneiros, mantendo aberta a fronteira com a República da Irlanda.

Segundo explicou Baker, em declarações à Press Association, cerca de 80 deputados dos Tories - em 315 - poderão votar contra aquela proposta. O ex-governante antecipa, por isso, que a conferência do Partido Conservador, prevista para entre os dias 30 de setembro e 3 de outubro, será bastante tensa.

"Se chegamos à conferência com ela a achar que a proposta de Chequers vai passar com o apoio do Labour, penso que os negociadores da UE irão perceber que estamos arrumados, que os Tories sofreriam a cisão que tanto se tem tentado evitar. Estamos a chegar a um ponto em que é extremamente difícil ver como podemos salvar os conservadores de uma divisão catastrófica se a proposta de Chequers for para a frente. Não tenho qualquer prazer em admitir isto", admitiu Baker, alertando para o perigo que é a chefe do governo conservador achar que consegue aprovar o seu plano para o brexit com o apoio (incerto e volátil) da oposição trabalhista liderada por Jeremy Corbyn.

As declarações de Baker surgem dois dias depois de o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, Boris Johnson, que também se demitiu pelas mesmas razões do governo de Theresa May, ter acusado a primeira-ministra de tencionas pôr "um colete suicida" à volta da Constituição britânica e "entregar o detonador a Bruxelas". Num artigo publicado no Mail on Sunday, o ex-chefe da diplomacia britânica classifica a proposta de Chequers como "patética".

Um porta-voz de Theresa May, citado pela Reuters esta segunda-feira, disse que a líder britânica quer ter fechado o acordo do brexit com a UE no próximo mês de outubro. Isto depois de o negociador-chefe do brexit na Comissão Europeia, o francês Michel Barnier, ter afirmado, no mesmo dia, que espera um acordo dentro de seis a oito semanas. Segundo a mesma agência noticiosa, os líderes da UE vão anunciar na próxima semana a realização de uma cimeira dedicada à saída do Reino Unido da UE, para a data de 13 de novembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.