Matias Damásio vai esclarecer acusações de exorcismo

Matias Damásio promete apresentar, este mês de setembro, em Luanda, a sua versão dos factos sobre os motivos que desencadearam a acusação de exorcismo de que é alvo

O cantor angolano Matias Damásio está a ser alvo de acusação de exorcismo por alegadamente a sua família ter submetido Mário Kamate, um menino de 14 anos, a práticas de feitiçaria, sob sua suposta orientação.

O agente de Matias Damásio disse ao Jornal de Angola que "é mentira, mas a verdade será trazida a público", em comunicado oficial assinado pelo músico "que se encontra em digressão pela Europa".

Matias Damásio está a ser acusado de mandar exorcizar Mário Kamate, por ter sonhado que o mesmo era feiticeiro. O rapaz, que viveu no seio familiar do cantor, de junho do ano passado a abril último, contou a uma reportagem da TV Zimbo que foi chamado de feiticeiro pela mãe e irmãos do músico e por este motivo foi submetido a rezas exageradas.

"Os irmãos dele e a mãe me chamavam feiticeiro. Me meteram numa sala sentado, a fazer oração das 16.00 às 03.00 horas da madrugada, o que me levou a falar coisas com coisas e perder os sentidos", disse Mário Kamate, à TV Zimbo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.