Matias Damásio vai esclarecer acusações de exorcismo

Matias Damásio promete apresentar, este mês de setembro, em Luanda, a sua versão dos factos sobre os motivos que desencadearam a acusação de exorcismo de que é alvo

O cantor angolano Matias Damásio está a ser alvo de acusação de exorcismo por alegadamente a sua família ter submetido Mário Kamate, um menino de 14 anos, a práticas de feitiçaria, sob sua suposta orientação.

O agente de Matias Damásio disse ao Jornal de Angola que "é mentira, mas a verdade será trazida a público", em comunicado oficial assinado pelo músico "que se encontra em digressão pela Europa".

Matias Damásio está a ser acusado de mandar exorcizar Mário Kamate, por ter sonhado que o mesmo era feiticeiro. O rapaz, que viveu no seio familiar do cantor, de junho do ano passado a abril último, contou a uma reportagem da TV Zimbo que foi chamado de feiticeiro pela mãe e irmãos do músico e por este motivo foi submetido a rezas exageradas.

"Os irmãos dele e a mãe me chamavam feiticeiro. Me meteram numa sala sentado, a fazer oração das 16.00 às 03.00 horas da madrugada, o que me levou a falar coisas com coisas e perder os sentidos", disse Mário Kamate, à TV Zimbo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.