Matar e roubar identidade. O golpe perfeito?

Uma avó de 56 anos está em fuga e a polícia acredita que voltará a matar

Uma norte-americana de 56 anos é suspeita de ter matado o marido e de depois ter assassinado uma mulher com características físicas semelhantes às suas para lhe roubar a identidade. Ann Reiss está em fuga e a polícia montou uma operação de busca que abrange vários estados norte-americanos.

A suspeita foi vista, num vídeo de segurança, a falar com a vítima, poucos dias antes de a mulher aparecer morta. Para a polícia, a motivação de Reiss é clara: o objetivo era roubar a identidade de Pamela Hutchinson, de 59 anos.

De acordo com a NBC News, que cita fontes policiais, a mulher é considerada "perigosa", uma vez que provavelmente estará armada e voltará a matar quando ficar sem dinheiro, apesar de parecer "a mãe ou avó de qualquer um de nós", acrescentou a mesma fonte. Terá três filhos adultos e um neto e um historial de problemas com o jogo.

No vídeo de sete segundos, captado a 5 de abril, a mulher surge com uma camisa azul clara enquanto conversava com Pamela Hutchinson.

O homicídio terá acontecido quando Reiss estava escondida no estado da Florida após ter matado o marido no Minnesota, no mês passado, pelo menos é esta a teoria da polícia.

O corpo de Hutchinson foi encontrado esta segunda-feira em Fort Myers Beach, mas a mulher pode ter sido morta dias antes, revelaram as autoridades. Quem a matou também lhe roubou o dinheiro, cartões de crédito, a identificação e o carro.

A polícia do Minnesota procura Ann Riess desde o dia 23 de março, quando encontraram o corpo do marido, David Riess. A polícia acredita que a suspeita pode ter roubado 11 mil dólares do marido antes de o matar, na casa de família.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.