Matar e roubar identidade. O golpe perfeito?

Uma avó de 56 anos está em fuga e a polícia acredita que voltará a matar

Uma norte-americana de 56 anos é suspeita de ter matado o marido e de depois ter assassinado uma mulher com características físicas semelhantes às suas para lhe roubar a identidade. Ann Reiss está em fuga e a polícia montou uma operação de busca que abrange vários estados norte-americanos.

A suspeita foi vista, num vídeo de segurança, a falar com a vítima, poucos dias antes de a mulher aparecer morta. Para a polícia, a motivação de Reiss é clara: o objetivo era roubar a identidade de Pamela Hutchinson, de 59 anos.

De acordo com a NBC News, que cita fontes policiais, a mulher é considerada "perigosa", uma vez que provavelmente estará armada e voltará a matar quando ficar sem dinheiro, apesar de parecer "a mãe ou avó de qualquer um de nós", acrescentou a mesma fonte. Terá três filhos adultos e um neto e um historial de problemas com o jogo.

No vídeo de sete segundos, captado a 5 de abril, a mulher surge com uma camisa azul clara enquanto conversava com Pamela Hutchinson.

O homicídio terá acontecido quando Reiss estava escondida no estado da Florida após ter matado o marido no Minnesota, no mês passado, pelo menos é esta a teoria da polícia.

O corpo de Hutchinson foi encontrado esta segunda-feira em Fort Myers Beach, mas a mulher pode ter sido morta dias antes, revelaram as autoridades. Quem a matou também lhe roubou o dinheiro, cartões de crédito, a identificação e o carro.

A polícia do Minnesota procura Ann Riess desde o dia 23 de março, quando encontraram o corpo do marido, David Riess. A polícia acredita que a suspeita pode ter roubado 11 mil dólares do marido antes de o matar, na casa de família.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.