Marisa Matias DJ nas "Dijsselbloem Nights"

Eurodeputada é hoje uma das animadoras da festa "Dijsselbloem Nights", como "DJ M&M" num evento promovido em Bruxelas para "combater os estereótipos" relativamente aos países do Sul. Presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, foi convidado, mas ainda não respondeu.

Na sequência da polémica entrevista do presidente do Eurogrupo em março passado ao jornal Frankfurter Zeitung, na qual Jeroen Dijsselbloem afirmou, referindo-se aos países do Sul da Europa, que "não se pode gastar todo o dinheiro em copos e mulheres e depois pedir ajuda", o Grupo da Esquerda no Parlamento Europeu -- que integra Bloco de Esquerda e PCP -- organiza hoje e quarta-feira duas 'soirées' dedicadas à cultura e diálogo, a primeira das quais grega, portuguesa e cipriota (e a segunda italiana e espanhola).

Na festa de hoje, a ter lugar no coletivo Garcia Lorca, no centro de Bruxelas, a eurodeputada Marisa Matias, do Bloco de Esquerda, será uma das protagonistas, ao assumir o papel de "DJ M&M", alcunha que tinha na escola como resultado das iniciais do nome e apelido.

Em declarações à Lusa, Marisa Matias confidenciou que esta será a primeira vez que fará de 'disc-jockey' e revelou que começará por reproduzir a mensagem do posto de comando da noite de 25 de abril de 1974 e o "Grândola, Vila Morena", para de seguida "percorrer um bocadinho aquilo que é a história da música portuguesa nos últimos anos", desde a revolução.

A deputada ao Parlamento Europeu afirmou que o objetivo destes serões é "desmistificar preconceitos", como aqueles manifestados pelo político holandês, mostrando "que há uma cultura muito mais vasta e muito mais rica" nos países do sul, o que inclui também uma mostra de produtos gastronómicos.

Marisa Matias revelou que Dijsselbloem foi convidado, não tendo ainda respondido.

As polémicas declarações de Jeroen Dijsselbloem levaram o Governo português a pedir a sua demissão, tendo o presidente do Eurogrupo, ainda em funções, recusado colocar o lugar à disposição devido ao que classificou como um mal-entendido em torno de palavras que admitiu terem sido infelizes "na forma".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.