Submarino que desapareceu com 44 pessoas a bordo foi encontrado um ano depois

O submarino argentino San Juan foi encontrado a 800 metros de profundidade.Tinha desaparecido a 15 de novembro de 2017.

O submarino argentino San Juan, que desapareceu a 15 de novembro de 2017 com 44 tripulantes, foi descoberto na sexta-feira no Oceano Atlântico, informou a Marinha daquele país em comunicado.

"O Ministério da Defesa e a Marinha da Argentina informam que a investigação do ponto número 24 pelo [navio responsável pelas buscas] Ocean Infinity, a 800 metros de profundidade, permitiu a localização positiva da ARA San Juan", pode ler-se numa publicação na rede social Twitter.

Desde setembro, a investigação estava a ser conduzida pela Ocean Infinity, uma empresa norte-americana privada.

"O barco da Ocean Infinity decidiu fazer uma nova busca e, graças a Deus, conseguiu encontrar a área onde o submersível se afundou", disse o porta-voz da Marinha, Rodolfo Ramallo.

No final de 2017 e no início de 2018, navios de uma dúzia de países tinham tentado localizar o submarino, sem sucesso, e a Marinha prosseguiu a busca com poucos recursos.

"Agora é outro capítulo que se abre. Depois de analisar o estado do submarino, veremos como proceder", acrescentou o porta-voz.

A 15 de novembro de 2017, o submarino, de fabrico alemão, comunicou pela última vez a sua posição, quando regressava à sua base no mar da Prata.

Na última comunicação, o comandante alertou para o início de um incêndio a bordo. Desde então as autoridades perderam o rasto ao submersível. Duas semanas depois, a Marinha avançava que houve uma explosão no submarino duas horas depois da última comunicação.

Familiares exigem a verdade

Os familiares dos 44 tripulantes do submarino argentino San Juan, descoberto hoje no fundo do Atlântico, mais de um ano depois de ter desaparecido, exigem que o aparelho seja recuperado para se saber a verdade sobre o que aconteceu.

Em declarações aos jornalistas no Mar da Prata, onde se localiza a base do submarino, um dos pais dos marinheiros, Juan Aramayo, defendeu que o submarino naufragado tem que ser retirado do mar "para ver o que está lá dentro".

"Queremos que o recuperem, saber a verdade, porque é que isto aconteceu", afirmou à porta do hotel onde se concentraram muitos dos familiares dos tripulantes, que estavam em Mar del Plata para assinalar o aniversário do desaparecimento do San Juan, na passada quinta-feira.

Questionado sobre a quase coincidência das datas do aniversário e do anúncio da descoberta, Aramayo afirmou não saber "se é um acaso ou se [a marinha e a empresa] já sabiam".

"Nós sentimos que o Governo já sabia e que estava a encobrir", admitiu, pedindo "verdade e justiça" e que sejam "encontrados os culpados desta tremenda tragédia".

A Armada argentina afirmou que, com a descoberta do submarino, "se abre outro capítulo" para esclarecer o que se passou "com a cautela necessária" por respeito às famílias.

O porta-voz da Marinha, Rodolfo Ramallo, garantiu que a instituição estará "sempre à disposição da Justiça para poder esclarecer o que se passou".

As autoridades esperam que a empresa encarregada das buscas lhes entregue imagens concretas da descoberta do San Juan, para as poder divulgar.

A juíza Marta Yáñez, que conduz a investigação judicial, afirmou que agora acabam os "milhões de especulações" sobre o desaparecimento do submarino, como as teorias de que estaria sequestrado nas Malvinas ou teria sido desmontado para sucata.

Com as imagens, poder-se-á sair do campo das teorias e os peritos poderão analisá-las para perceber o sucedido.

Para já, desconhecem-se pormenores sobre o estado em que o submarino foi encontrado ou os próximos passos a dar.

Vários representantes políticos, do Senado aos partidos, prestaram homenagem aos marinheiros que morreram e enviaram mensagens de apoio aos seus familiares.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...