Marine Le Pen em vias de perder imunidade como eurodeputada por publicar imagens do Estado Islâmico

Líder da Frente Nacional francesa está sob investigação. Legisladores votaram em grande maioria pela suspensão da imunidade neste caso

A grande maioria dos eurodeputados votou esta terça-feira a favor da suspensão da imunidade parlamentar de Marine Le Pen para que responda num processo por ter divulgado no Twitter fotografias violentas do Estado Islâmico.

A eurodeputada e líder da Frente Nacional está a ser investigada em França por ter publicado naquela rede social três fotos das execuções do chamado Estado Islâmico, incluindo da decapitação do jornalista americano James Foley.

Os eurodeputados da comissão para assuntos judiciais responderam afirmativamente ao pedido de levantamento de imunidade interposto pela justiça francesa, segundo fonte oficial da União Europeia. Esta decisão terá agora de ser ratificada pelo Parlamento em plenário, o que deverá acontecer ainda esta semana.

A confirmar-se o levantamento da imunidade parlamentar, Marine Le Pen incorre, em França, no crime de "divulgação de imagens violentas" que tem uma moldura penal até três anos de prisão e multa até 75 mil euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.