Maré amarela em Barcelona seis meses após prisão dos Jordis

Entre 300 mil (diz a polícia) e 750 mil pessoas (segundo a organização) manifestaram-se para exigir a libertação dos independentistas, o regresso dos exilados e diálogo político

O amarelo saltou dos laços e pintou ontem a Avenida del Parallel, em Barcelona, onde milhares de pessoas exigiram a libertação dos independentistas catalães. A manifestação assinalou os seis meses da detenção de Jordi Sànchez e Jordi Cuixart, antigos líderes das associações Assembleia Nacional Catalã (ANC) e Òmnium Cultural, presos a 16 de outubro e acusados de sedição nos protestos prévios ao referendo de 1 de outubro. Mas os outros sete independentistas detidos não foram esquecidos, assim como os sete que estão exilados a aguardar as decisões sobre a extradição.

"Desde a prisão peço-vos que não se deixem aterrorizar. Não cedam nunca à chantagem do medo nem à tentação da violência. Não temos medo, temos direito a ser livres", dizia a mensagem de Jordi Sànchez, lida pelo seu filho Oriol. Mesmo estando na prisão de Soto del Real, o ex-líder da ANC foi eleito deputado a 21 de dezembro e por duas vezes proposto para presidente da Generalitat. Contudo, o juiz do Supremo Tribunal, Pablo Llarena, não autorizou a sua libertação para assistir ao debate de investidura.

"Hoje voltamos a demonstrar, uma vez mais, a capacidade do povo catalão de se unir nos momentos difíceis, nos momentos de injustiça, mas também de esperança", indicou, por seu lado, Jordi Cuixart na mensagem lida pela sua mulher, Txell Bonet. "Vocês são o motor da luta pela democracia e pela liberdade por um futuro sem renúncias para ninguém", acrescentou.

O ex-presidente da Generalitat Carles Puigdemont, que aguarda em liberdade a decisão da Alemanha sobre a sua extradição, reagiu no Twitter. "Outra vez, uma grande manifestação cívica e democrática. A Catalunha pede liberdade. Somos cidadãos europeus que só querem viver em paz, livres e sem medo", escreveu numa mensagem em inglês, com a hashtag #UsVolemACasa - queremo-los em casa.

A polícia calculou em 315 mil o número de manifestantes, mas os organizadores falam em 750 mil. O protesto foi convocado pelo Espaço Democracia e Convivência, plataforma criada em março para defender as instituições catalãs e que inclui diversas entidades, sindicatos e organizações da sociedade civil. "Os problemas políticos devem solucionar-se na esfera política e pela via do diálogo e da negociação", defenderam ontem no manifesto lido durante a manifestação. "Exigimos a liberdade de todos os políticos e líderes detidos, assim como o regresso dos exilados", acrescentaram.

Nas ruas, a "defesa unitária das instituições catalãs e o direito dos catalães para decidir o seu futuro" juntou as habituais ANC e Òmnium aos sindicatos UGT - "a maioria da sociedade catalã acredita que a prisão preventiva não é justificada", disse o secretário-geral Camil Ros - e Comissões Operárias. Presentes estiveram várias formações políticas, nem todas independentistas, como a Catalunya en Comú Podem. Por isso, de acordo com o La Vanguardia, comparando com outras manifestações, viram-se menos bandeiras independentistas e mais cartazes com mensagens.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.