Marcelo diz que não comenta situação na Guiné-Equatorial por uma questão de educação

Presidente português não quis avaliar em público o grau de cumprimento do país liderado por Teodoro Obiang do roteiro de adesão à CPLP e remeteu a questão para a reunião de chefes do Estado e do governo da organização, que decorre esta terça e quarta-feira na ilha do Sal em Cabo Verde

Marcelo Rebelo de Sousa garantiu esta terça-feira ter expectativas elevadas sobre a cimeira de chefes do Estado e do governo da CPLP. Falando aos jornalistas, à chegada ao hotel onde irá decorrer o encontro, na cidade turística de Santa Maria, em Cabo Verde, o presidente português afirmou que o contexto internacional é favorável à comunidade e congratulou-se com o lema escolhido para a décima cimeira da comunidade de países de língua portuguesa.

"Nós neste momento temos um peso internacional como comunidade que não deixou de ser afirmar nos últimos anos. Assim, rapidamente, penso que há um secretário-geral das Nações Unidas da comunidade [António Guterres], há três diretores-gerais de organizações internacionais da comunidade, um dos quais acabado de eleger [António Vitorino]. Há uma situação internacional que é favorável ao papel da comunidade. O tema dos oceanos é um tema mundial que é importantíssimo. Também no plano económico, financeiro, social. A comunidade, presente como está um pouco por todos os continentes, tem um espaço de manobra único nos próximos anos. Por isso, espero que o espírito do Sal vá ser um espírito muito inspirador para a CPLP", declarou Marcelo Rebelo de Sousa ais jornalistas.

Questionado sobre a avaliação que faz do grau de cumprimento pela Guiné Equatorial do roteiro de adesão plena à CPLP, Marcelo Rebelo de Sousa, remeteu a questão para a cimeira dos chefes do Estado e do governo. Isto porque o país liderado por Teodoro Obiang desde 1979 ainda não retirou a pena de morte da sua Constituição.

"Não queria estar a fazer avaliações neste momento por uma questão de educação. Porque estarmos a falar em público sobre matérias que devem ser faladas dentro da cimeira não parece elegante nem diplomático. Isso poderá vir a ser ou não tratado nas várias reuniões que terão lugar. Aí cada um fará a sua avaliação, que é uma avaliação conjunta, que não diz respeito a apenas um Estado. Todos os Estados da CPLP tiveram processos importantes nos últimos dois anos. E a consideração em clima de família e a ponderação desses processos penso que é meio caminho andado para o reforço dos laços familiares", sublinhou o chefe do Estado português.

Na Ilha do Sal,
Cabo Verde

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?