Mansão da Playboy vendida por 88 milhões de euros

Hugh Hefner fica no entanto com o direito de viver na mansão até morrer

O fundador da revista Playboy, Hugh Hefner, vendeu a sua célebre mansão em Los Angeles por 100 milhões de dólares (cerca de 88 milhões de euros) ao seu vizinho Daren Metropoulos, informou hoje a imprensa local.

Hugh Hefner tinha inicialmente colocado a casa à venda por 200 milhões de dólares (cerca de 177 milhões de euros).

O contrato inclui de compra e venda inclui que Hugh Hefner, de 90 anos, possa residir na casa até ao resto da sua vida.

O fundador da revista Playboy comprou a casa, situada nas colinas de Holmby Hills, em Los Angeles, em 1970 por um milhão de dólares (cerca de 885 mil euros).

"A mansão da Playboy foi o centro criativo de 'Hef', a sua residência e o seu local de trabalho durante os últimos 40 anos e vai continuar a ser, mesmo que seja vendida", indicou, em comunicado, o diretor executivo da Playboy Enterprises, Scott Flanders, quando a casa foi colocada à venda.

O novo proprietário da casa, conhecida mundialmente pelas festas e as "coelhitas" da Playboy, é Daren Metropoulos, de 33 anos, diretor da empresa com o mesmo nome.

Daren Metropoulos adquiriu em 2006 a casa adjacente à mansão da Playboy e no futuro pretender unir as duas casas, que quando foram construídas, nos anos 20, faziam parte da mesma propriedade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.