Mansão da Playboy vendida por 88 milhões de euros

Hugh Hefner fica no entanto com o direito de viver na mansão até morrer

O fundador da revista Playboy, Hugh Hefner, vendeu a sua célebre mansão em Los Angeles por 100 milhões de dólares (cerca de 88 milhões de euros) ao seu vizinho Daren Metropoulos, informou hoje a imprensa local.

Hugh Hefner tinha inicialmente colocado a casa à venda por 200 milhões de dólares (cerca de 177 milhões de euros).

O contrato inclui de compra e venda inclui que Hugh Hefner, de 90 anos, possa residir na casa até ao resto da sua vida.

O fundador da revista Playboy comprou a casa, situada nas colinas de Holmby Hills, em Los Angeles, em 1970 por um milhão de dólares (cerca de 885 mil euros).

"A mansão da Playboy foi o centro criativo de 'Hef', a sua residência e o seu local de trabalho durante os últimos 40 anos e vai continuar a ser, mesmo que seja vendida", indicou, em comunicado, o diretor executivo da Playboy Enterprises, Scott Flanders, quando a casa foi colocada à venda.

O novo proprietário da casa, conhecida mundialmente pelas festas e as "coelhitas" da Playboy, é Daren Metropoulos, de 33 anos, diretor da empresa com o mesmo nome.

Daren Metropoulos adquiriu em 2006 a casa adjacente à mansão da Playboy e no futuro pretender unir as duas casas, que quando foram construídas, nos anos 20, faziam parte da mesma propriedade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?