Manifestantes atiram bombas em Atenas e polícia responde com gás lacrimogénio

Protesto assinala o sétimo aniversário da morte de um adolescente de 15 anos por um polícia

Os manifestantes que estão hoje em Atenas a propósito do sétimo aniversário da morte de um adolescente de 15 anos por um polícia atiraram petardos e a polícia respondeu com gás lacrimogéneo, segundo a AFP.

Cerca de 3.000 pessoas estão hoje a manifestar-se em Atenas, num protesto de grande tensão para o qual as autoridades gregas destacaram cerca de 5.000 polícias para evitar confrontos, tendo também fechado duas estações de metro no centro de Atenas, embora tenham já havido desacatos.

Foram também registados danos menores num banco e alguns caixotes do lixo foram incendiados.

A ala jovem do Syriza apelou aos seus apoiantes para se juntaram ao protesto de Atenas para mostrar "a força da vida contra a morte e da criatividade contra a destruição".

Na noite de sábado para domingo, um turista português foi atingido por uma pedra na cabeça quando passeava no bairro de Exarcheia, onde a polícia estava a retirar um monte de pedras a grupo de jovens.

Segundo a polícia, estes confrontos que duraram pelo menos três horas, começaram no sábado à noite quando várias dezenas de jovens começaram a lançar cocktails molotov às forças de segurança.

O turista, que ficou ligeiramente ferido, explicou à AFP que, quando foi atingido, estava a tentar chegar de carro ao hotel onde está instalado: "Passámos por lá porque estávamos a seguir o GPS", explicou aos jornalistas antes de ser conduzido ao hospital.

O bairro Exarcheia foi o local onde Alexis Grigoropoulos, de 15 anos, foi morto por um polícia a 06 de dezembro de 2008.

As manifestações que ocorreram no ano passado, por ocasião do sexto aniversário da morte deste adolescente, fizeram 12 feridos nas fileiras da polícia, havendo também registo de 200 detenções.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.