Manifestantes atiram bombas em Atenas e polícia responde com gás lacrimogénio

Protesto assinala o sétimo aniversário da morte de um adolescente de 15 anos por um polícia

Os manifestantes que estão hoje em Atenas a propósito do sétimo aniversário da morte de um adolescente de 15 anos por um polícia atiraram petardos e a polícia respondeu com gás lacrimogéneo, segundo a AFP.

Cerca de 3.000 pessoas estão hoje a manifestar-se em Atenas, num protesto de grande tensão para o qual as autoridades gregas destacaram cerca de 5.000 polícias para evitar confrontos, tendo também fechado duas estações de metro no centro de Atenas, embora tenham já havido desacatos.

Foram também registados danos menores num banco e alguns caixotes do lixo foram incendiados.

A ala jovem do Syriza apelou aos seus apoiantes para se juntaram ao protesto de Atenas para mostrar "a força da vida contra a morte e da criatividade contra a destruição".

Na noite de sábado para domingo, um turista português foi atingido por uma pedra na cabeça quando passeava no bairro de Exarcheia, onde a polícia estava a retirar um monte de pedras a grupo de jovens.

Segundo a polícia, estes confrontos que duraram pelo menos três horas, começaram no sábado à noite quando várias dezenas de jovens começaram a lançar cocktails molotov às forças de segurança.

O turista, que ficou ligeiramente ferido, explicou à AFP que, quando foi atingido, estava a tentar chegar de carro ao hotel onde está instalado: "Passámos por lá porque estávamos a seguir o GPS", explicou aos jornalistas antes de ser conduzido ao hospital.

O bairro Exarcheia foi o local onde Alexis Grigoropoulos, de 15 anos, foi morto por um polícia a 06 de dezembro de 2008.

As manifestações que ocorreram no ano passado, por ocasião do sexto aniversário da morte deste adolescente, fizeram 12 feridos nas fileiras da polícia, havendo também registo de 200 detenções.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.