Lixo, insegurança e javalis nas ruas. Roma denuncia "cidade em desordem"

O protesto convocado no Facebook pretende chamar a atenção para a falta de ação da presidente da câmara

Vários milhares de cidadãos protestaram este sábado contra o declínio da capital italiana. Colocaram-se em frente ao edifício da Câmara Municipal e queixaram-se dos buracos na estrada, do lixo por recolher, da presença de javalis em Roma e da falta de segurança.

"Estamos aqui porque Roma merece melhor, porque Roma está num estado de negligência nunca antes visto", explica Marita Monaco, uma das manifestantes, à agência Reuters. "É uma cidade em desordem, onde não há mais regras ou coesão social", acrescenta.

O protesto foi convocado via Facebook com a hastag #romadicebasta ("Roma diz Basta"). E pretende colocar em causa o trabalho da Presidente da Câmara, Virginia Raggi, eleita em 2016, pelo movimento 5-Star. Raggi admite que precisa de mais tempo para resolver os problemas da capital europeia e relembra que já fez progressos, avança a Reuters. Mas os manifestantes não se mostram dispostos a conceder-lhe esse tempo. A presidente tem um processo em tribunal onde é acusada de abuso de poder. Virginia Raggi já disse que renuncia ao cargo, caso seja considerada culpada.

Os cidadãos estão preocupados com a falta de limpeza da cidade, onde já foram avistados, por mais do que uma vez, javalis a remexer no lixo. Queixam-se ainda da falta de manutenção dos equipamentos municipais: na passada terça-feira uma escada rolante numa estação de metro caiu, ferindo mais de 20 pessoas, e desde que o ano começou arderam nas ruas de Roma mais de duas dezenas de autocarros.

A juntar a estas questões, os habitantes sentem-se ainda inseguros depois de uma rapariga italiana de 16 anos ter sido drogada, violada e morta por um grupo de imigrantes ilegais nas ruas da cidade. Este episódio motivou pelo menos mais duas manifestações, este sábado, em Roma.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.