Manifestação contra violência sobre mulheres junta milhares em Madrid

Perto de 300 autocarros transportando manifestantes de todas as regiões do país dirigiram-se este sábado à capital espanhola

Dezenas de milhares de pessoas de toda a Espanha marcharam hoje em Madrid contra a violência sobre as mulheres, que já provocou 41 vítimas este ano.

Gritando frases como "não estamos todas aqui, faltam as mortas" ou "a luta será feminista ou não será", os manifestantes - homens e mulheres - concentraram-se no centro da capital espanhola, respondendo ao apelo de mais de 400 associações feministas.

Perto de 300 autocarros transportando manifestantes de todas as regiões do país dirigiram-se a Madrid, durante a manhã, segundo os organizadores.

Em período de pré campanha eleitoral, já que as legislativas em Espanha estão marcadas para 20 de dezembro, também participaram na manifestação representantes dos principais sindicatos e de todos os partidos políticos, como o chefe da oposição socialista, Pedro Sanchez, ou o líder do movimento Podemos, Pablo Iglesias.

Segundo os últimos dados disponibilizados pelo Governo espanhol, desde janeiro, 41 mulheres foram mortas pelos companheiros ou ex-companheiros e, destas, somente sete tinham apresentado queixa anteriormente.

Espanha tem em vigor uma lei contra a violência doméstica, lançou um número de telefone de urgência, que não aparece na fatura do serviços de telecomunicações, assistência jurídica gratuita, medidas de afastamento e residências de acolhimento para mulheres maltratadas.

O número de vítimas mortais de violência doméstica tem vindo a descer desde 2008 e, de 71 casos em 2003, passou para 54 em 2014.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.