Manifestação contra violência sobre mulheres junta milhares em Madrid

Perto de 300 autocarros transportando manifestantes de todas as regiões do país dirigiram-se este sábado à capital espanhola

Dezenas de milhares de pessoas de toda a Espanha marcharam hoje em Madrid contra a violência sobre as mulheres, que já provocou 41 vítimas este ano.

Gritando frases como "não estamos todas aqui, faltam as mortas" ou "a luta será feminista ou não será", os manifestantes - homens e mulheres - concentraram-se no centro da capital espanhola, respondendo ao apelo de mais de 400 associações feministas.

Perto de 300 autocarros transportando manifestantes de todas as regiões do país dirigiram-se a Madrid, durante a manhã, segundo os organizadores.

Em período de pré campanha eleitoral, já que as legislativas em Espanha estão marcadas para 20 de dezembro, também participaram na manifestação representantes dos principais sindicatos e de todos os partidos políticos, como o chefe da oposição socialista, Pedro Sanchez, ou o líder do movimento Podemos, Pablo Iglesias.

Segundo os últimos dados disponibilizados pelo Governo espanhol, desde janeiro, 41 mulheres foram mortas pelos companheiros ou ex-companheiros e, destas, somente sete tinham apresentado queixa anteriormente.

Espanha tem em vigor uma lei contra a violência doméstica, lançou um número de telefone de urgência, que não aparece na fatura do serviços de telecomunicações, assistência jurídica gratuita, medidas de afastamento e residências de acolhimento para mulheres maltratadas.

O número de vítimas mortais de violência doméstica tem vindo a descer desde 2008 e, de 71 casos em 2003, passou para 54 em 2014.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.