Mais uma atriz porno diz que foi convidada para o quarto de Trump

Advogado do presidente dos EUA desmentiu que Trump tenha pago a estrela porno para que esta não revelasse pormenores de encontro sexual. Mais uma segunda atriz diz que foi convidada para se juntar a eles no quarto

Uma segunda atriz da indústria pornográfica diz que foi convidada para ir para o quarto de Donald Trump. Ao site Daily Beast, Alana Evans disse que foi convidada quando Trump estava no quarto com a atriz Stephanie Clifford, cujo nome artístico é Stormy Daniels. O mesmo site refere que uma terceira atriz, Jessica Drake, que acusou Trump de abuso sexual antes das eleições de 2016, assinou um acordo de confidencialidade que a impede de falar sobre os avanços sexuais do presidente dos EUA.

Na sexta-feira, o Wall Street Journal avançou que, na véspera da eleição de 2016, Michael Cohen, advogado de Trump, pagou 130 mil dólares (cerca de 110 mil euros) a Stephanie Clifford. O dinheiro terá servido para calar a atriz, impedindo-a de falar sobre o alegado encontro sexual com Trump em 2006, pouco tempo depois de Melania, a terceira mulher do presidente dos EUA, ter dado à luz o filho de ambos, Baron.

O advogado de Trump negou a notícia do Wall Street Journal e enviou igualmente um comunicado em nome da atriz "Stormy Daniels", dizendo que os rumores de que teria sido paga para se calar eram falsos. "Se eu tivesse tido uma relação com Donald Trump, confiem em mim, não saberiam dela através das notícias mas iriam ler sobre isso no meu livro", acrescentava a nota.

Ao jornal The Guardian, a Casa Branca disse que as notícias são "antigas" e já foram desmentidas antes das eleições presidenciais de 2016. Mas, ao The New York Times, o diretor do grupo Slate disse que a atriz Stephanie Clifford lhe falou por várias vezes da relação com Trump e o Daily Beast acrescenta que a própria acabou por confidenciar a Alana Evans, a segunda atriz que foi convidada para se juntar aos dois - mas que não terá aceitado o convite - que tinha ido para o quarto com o empresário.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.