Mais uma atriz porno diz que foi convidada para o quarto de Trump

Advogado do presidente dos EUA desmentiu que Trump tenha pago a estrela porno para que esta não revelasse pormenores de encontro sexual. Mais uma segunda atriz diz que foi convidada para se juntar a eles no quarto

Uma segunda atriz da indústria pornográfica diz que foi convidada para ir para o quarto de Donald Trump. Ao site Daily Beast, Alana Evans disse que foi convidada quando Trump estava no quarto com a atriz Stephanie Clifford, cujo nome artístico é Stormy Daniels. O mesmo site refere que uma terceira atriz, Jessica Drake, que acusou Trump de abuso sexual antes das eleições de 2016, assinou um acordo de confidencialidade que a impede de falar sobre os avanços sexuais do presidente dos EUA.

Na sexta-feira, o Wall Street Journal avançou que, na véspera da eleição de 2016, Michael Cohen, advogado de Trump, pagou 130 mil dólares (cerca de 110 mil euros) a Stephanie Clifford. O dinheiro terá servido para calar a atriz, impedindo-a de falar sobre o alegado encontro sexual com Trump em 2006, pouco tempo depois de Melania, a terceira mulher do presidente dos EUA, ter dado à luz o filho de ambos, Baron.

O advogado de Trump negou a notícia do Wall Street Journal e enviou igualmente um comunicado em nome da atriz "Stormy Daniels", dizendo que os rumores de que teria sido paga para se calar eram falsos. "Se eu tivesse tido uma relação com Donald Trump, confiem em mim, não saberiam dela através das notícias mas iriam ler sobre isso no meu livro", acrescentava a nota.

Ao jornal The Guardian, a Casa Branca disse que as notícias são "antigas" e já foram desmentidas antes das eleições presidenciais de 2016. Mas, ao The New York Times, o diretor do grupo Slate disse que a atriz Stephanie Clifford lhe falou por várias vezes da relação com Trump e o Daily Beast acrescenta que a própria acabou por confidenciar a Alana Evans, a segunda atriz que foi convidada para se juntar aos dois - mas que não terá aceitado o convite - que tinha ido para o quarto com o empresário.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.