Mais oito esqueletos encontrados em barco fantasma à deriva

Descoberta acontece depois de oito pescadores norte-coreanos terem sido resgatados na semana passada

As autoridades japonesas estão a investigar a descoberta, na segunda-feira, de mais oito cadáveres em avançado estado de decomposição, alguns já apenas esqueleto, num barco fantasma junto a uma praia no mar do Japão. Já na semana passada haviam sido encontrados outros dois corpos, nas mesmas circunstâncias, numa outra região. E na mesma altura a polícia tinha resgatado oito norte-coreanos que seguiam a bordo de um barco que alegadamente sofrera uma avaria no motor.

A prioridade das autoridades é estabelecer a nacionalidade dos corpos, mas suspeita-se que sejam oriundos da Coreia do Norte, até porque situações destas acontecem com frequência nos últimos anos e há indícios nesse sentido, nomeadamente marcas de cigarros ou inscrições nos coletes salva vidas.

Peritos citados pela Reuters indicam que a procura de alimentos, devido à fome que se regista no país liderado por Kim Jong-un, pode estar na origem deste êxodo via marítima que termina em tragédia. Os homens partem em busca de peixe em embarcações muito frágeis, que não resistem às graves condições climatéricas que se instalam no mar do Japão a partir de novembro.

Os barcos fantasma que dão à costa no Japão com cadáveres são um fenómeno antigo. Só este ano, segundo a Reuters, já foram contabilizadas na costa japonesa 43 embarcações de madeira que se acredita terem tido origem na Coreia do Norte. No ano passado foram 66.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?