Mais de nove mil pessoas retiradas devido a erupção de vulcão

Pedras incandescentes e a lava na cratera do Mayon iluminaram o céu no domingo à noite

Mais de nove mil pessoas foram hoje retiradas da área em redor do vulcão mais ativo das Filipinas, à medida que a lava começou a sair da cratera, indicaram as autoridades da ilha de Luzon.

O Instituto de Sismologia e Vulcanologia das Filipinas (Phivolcs) aumentou, no domingo, o nível de alerta no monte Mayon para três, numa escala de cinco, o que indica um aumento da possibilidade de uma erupção perigosa.

Renato Solidum, responsável daquele instituto, indicou que a lava percorreu cerca de meio quilómetro, já esta manhã, na encosta do monte, levando à formação de nuvens de cinza.

Pedras incandescentes e a lava na cratera do Mayon iluminaram o céu no domingo à noite, apesar das espessas nuvens, levando milhares de residentes a procurar abrigos.

O Mayon, na província de Albay, no nordeste do arquipélago, registou cerca de 50 erupções nos últimos 500 anos.

Mais de 12 mil pessoas receberam ordens para retirar de uma zona de sete quilómetros em redor do vulcão e as autoridades advertiram a população contra as torrentes de lava e nuvens tóxicas.

"É perigoso para as famílias ficarem no perímetro e inalar fumos", declarou Claudio Yucot, responsável do gabinete regional de proteção civil.

Na última erupção do Mayon, em 2014, 63 mil pessoas foram retiradas da zona.

Solidum acrescentou que neste momento "a lava está mais fluída do que em 2014, o que significa que a torrente pode descer mais e com mais rapidez".

"Vemos semelhanças com as erupções que começam com torrentes de lava e evoluem para uma fase explosiva. É isso que vigiamos e por isso queremos proteger as populações", sublinhou.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.