Mais de mil cães vadios abatidos no Paquistão

As autoridades envenenaram os cães após várias queixas de ataques e mordidas. Deverão ser abatidos pelos menos mais dois mil animais

Mais de mil cães vadios foram abatidos pelo município de Carachi, no sul do Paquistão, depois de numerosas queixas de crianças e mulheres mordidas pelos animais, disse hoje um responsável.

Ao todo 1.050 cães foram envenenados na campanha. De acordo com estimativas, mais dois mil poderão ser mortos na próxima fase da campanha.

Rehan Hashmi, presidente da área central da Corporação Metropolitana de Carachi (KMC, sigla em inglês), afirmou que as autoridades receberam numerosas queixas de ataques de cães vadios, o que levou à decisão de aplicar um programa de extermínio devido à falta de recursos da cidade para albergar os cães em casas ou canis.

Na República Islâmica do Paquistão, os cães são considerados, por razões religiosas, impuros e sujos, sendo usados como guardas. Poucas famílias, que não pertençam às classes mais altas, têm cães como animais de companhia.

As autoridades calculam a população de cães vadios em Carachi pode chegar aos 35 mil animais.

O município recebe cerca de 15 mil queixas de ataques por ano, de acordo com Isma Gheewala, responsável do centro de cuidados animais de Carachi.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.