Índia. Mais de cem mortos em quatro dias após consumo de álcool adulterado

Está ainda a ser estudada a composição das bebidas adulteradas. Já foram detidas 300 pessoas

Mais de cem pessoas morreram desde quinta-feira devido ao consumo adulterado de álcool no norte da Índia, onde foram detidas 300 pessoas, numa campanha para combater o flagelo que atinge sobretudo a população mais pobre.

O distrito de Saharanpur, em Uttar Pradesh, é o mais afetado, registando cerca de 60 dos mortos, disse hoje à agência de notícias Efe o diretor-geral adjunto da Ordem Pública da Polícia regional, Anand Kumar.

Ao longo de Uttar Pradesh, o estado mais populoso da Índia, com cerca de 200 milhões de habitantes, a polícia deteve nos últimos dias cerca de 300 pessoas, acrescentou a mesma fonte, que especificou que os componentes do álcool adulterado serão conhecidos após a investigação.

"Neste momento o licor ilícito está a ser analisado. Eu não posso dizer de forma conclusiva quais são os seus componentes químicos, mas parece que a presença de pesticidas e outros produtos químicos o tornaram tóxico", concluiu Kumar.

No estado vizinho de Uttarakhand, o distrito de Haridwar registou até agora 26 mortes em resultado das bebidas adulteradas, fabricadas numa aldeia fronteiriça no distrito de Saharanpur, disse à Efe o presidente da Ordem Pública da Polícia de Uttarakhand, Ashok Kumar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.